Procissão a São Sebastião reúne cerca de 50 mil fiéis mesmo com chuva

Arcebispo Dom Orani Tempesta ressaltou que carioca se identifica com São Sebastião para enfrentar tempos difíceis

Por O Dia

Rio - Reza a lenda que, em 1566, o próprio São Sebastião teria aparecido pelas terras da Guanabara para ajudar os portugueses na guerra contra os índios tupinambás que, apoiados pela França, se recusavam a aceitar a companhia lusitana. Quatrocentos e cinquenta anos depois do episódio que ficou conhecido como a Batalha das Canoas, o santo e mártir é invocado pelos cariocas para combater uma nova ameaça: a crise. Durante todo a quarta-feira, a cidade foi tomada por comemorações e preces dedicadas ao padroeiro do Rio. Nas estimativas da Arquidiocese, cerca de 50 mil pessoas acompanharam a tradicional procissão da Basílica de São Sebastião, na Tijuca, até a Catedral, no Centro, mesmo debaixo de chuva.

Fiéis vestidos de branco e vermelho — cores que simbolizam a paz e o sangue dos mártires — lotaram, desde as primeiras horas da manhã, a basílica onde o arcebispo Dom Orani Tempesta rezou a missa solene às 10h, para cerca de 2 mil pessoas. “O carioca se identifica muito com São Sebastião e aprendeu com ele que, mesmo em tempos de crise, sempre é possível ir adiante”, disse o cardeal, que lembrou o povo da importância de “cuidar das feridas da cidade”, a exemplo de Santa Irene, que teria cuidado do corpo do santo após o martírio.

GALERIA: Homenagens e procissão no Dia de São Sebastião

Procissão de São Sebastião atraiu 50 mil fiéis%2C segundo Arquidiocese do Rio Alexandre Brum / Agência O Dia

Moradora de Santa Cruz, na Zona Oeste, a faxineira Cristiane Lúcia da Silva, de 40 anos, fez questão de saudar o padroeiro acompanhada pela família. “Eu vivia de aluguel e devo a São Sebastião o apartamento em que moro hoje. Venho todo ano para agradecer pelas vitórias. Até minha netinha está de vermelho para acostumar com a tradição”, contou. A devota Rosane Delfina, de 47 anos, também atribui a São Sebastião algumas de suas conquistas. “Quando a gente não consegue uma graça sozinho, apela para ele. Já consegui graças relacionadas à saúde e ao trabalho”, disse.

Este ano, a festa contou com uma novidade: acompanhados pela imagem do padroeiro, motociclistas fizeram um passeio especial em homenagem a São Sebastião, passando pelo Centro, Zona Sul e Zona Norte rumo à Igreja dos Capuchinhos, de onde também saiu a procissão, por volta das 16h, em direção à Catedral. Logo após o início da marcha, a chuva deu uma trégua.

Dom Orani Tempesta celebra missa na Igreja dos CapuchinhosEstefan Radovicz / Agência O Dia

Na chegada da imagem à Catedral, fiéis assistiram ao Auto de São Sebastião, que terminou ao som de Cidade Maravilhosa e com a projeção de imagens de pontos turísticos da cidade. O espetáculo seria encenado ao ar livre, mas foi transferido para dentro da Catedral por causa do tempo. No Aterro do Flamengo, a tradicional Corrida de São Sebastião atraiu mais de 5 mil atletas, que receberam a bênção de Dom Orani Tempesta antes da largada, às 7h30.

Reportagem de Aline Cavalcante e da estagiária Maria Clara Vieira

Últimas de Rio De Janeiro