Por paulo.gomes

Rio - Pelo menos 10% dos 513 deputados federais vão mudar de partido em março. O troca-troca será possível graças à promulgação de emenda à Constituição, no dia 28 de fevereiro, pelo presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), que institui a chamada ‘janela da infidelidade’. Por ela, os parlamentares poderão deixar seus partidos sem perder o mandato.

Os cerca de 50 ‘infiéis’ da Câmara estão espalhados em sua maioria pelas siglas médias, como o PDT, o Solidariedade e o PSD. Um deles seria o deputado Hugo Leal, pré-candidato à Prefeitura do Rio pelo Pros.

Leal nem tão leal

Presidente do Pros-RJ,Hugo Leal diz “não ter motivos para deixar o partido”, mas admite diálogo com outras siglas. O enfraquecimento do Pros, que vê sua bancada diminuir, pode influenciar na escolha. O PSB é um dos partidos interessados em Leal.

Bancada

Integrantes do PSB apostam na filiação do senador Marcelo Crivella, do PRB, outro pré-candidato à Prefeitura do Rio. Com a aliança entre os partidos, PSB e PRB somariam hoje 57 deputados federais, ficando com a terceira maior bancada da Câmara, atrás apenas do PT e do PMDB.

Cargos

Secretário municipal de Abastecimento e Segurança Alimentar, Walney Rocha (PTB) ameaça abandonar a prefeitura e retomar sua cadeira na Câmara dos Deputados. A medida prejudicaria Leonardo Picciani (PMDB) na disputa pela liderança do partido, já que o peemedebista Wilson Beserra, suplente de Rocha e aliado de Picciani, teria que deixar o Congresso. Rocha estaria insatisfeito na prefeitura.


Com Paulo Cappelli

Você pode gostar