Por adriano.araujo

Rio - Os corpos de Lídia Ferreira de Lima, de 84 anos, e Alessa Caroline Ferreira Fernandes, de 17 anos, avó e neta mortas no desabamento de uma casa em Irajá, na Zona Norte, na última sexta-feira, serão enterrados na tarde desta segunda-feira no Cemitério do bairro onde ocorreu a tragédia. Não haverá velório.

Ficaram feridos Rosemary Fernandes, de 41 anos, filha e mãe das vítimas fatais, e seus dois filhos de 23 e 17 anos, este irmão gêmeo de Alessa. "Sai 10 minutos antes para ir à igreja, e na saída encontrei meu neto, que veio correndo gritando 'vovó, sua casa esta toda quebrada'. Foi um desespero", contou a vizinha Janete de Souza, de 78 anos, que mora na casa em frente ao sobrado destruído.

Lídia Lima%2C de 84 anos%2C e Alessa Caroline Fernandes%2C de 17 anos%2C avó e neta%2C morreram em desabamento em IrajáSeverino Silva e Reprodução Facebook

Moradora da casa ignorava perigo

?Segundo vizinhos das vítimas, Rosemery, que perdeu mãe e filha na tragédia, ignorava o perigo de morar no local, que tinha sido construído irregularmente. "A mãe, Rose, não deu ouvidos. Não aceitava sugestões de ninguém e não quis mexer na casa", contou uma vizinha.

Ainda de acordo com vizinhos, a Defesa Civil já havia estado no local há cerca de um ano e relatou o risco. No entanto, através de nota oficial, o órgão negou a informação de ter realizado uma vistoria no imóvel que desabou. O caso sera acompanhado também pela 27ª DP (Irajá).

A dona de casa Gleucy Dias, de 62 anos, disse ter se assustado com o som do deslizamento. "Moro na rua ao lado e ouvi um barulho parecido com o de uma explosão. Subiu muita poeira", disse a moradora, afirmando não ter saído de casa por medo.

VEJA MAIS SOBRE O CASO

Defesa Civil já teria alertado sobre risco em sobrado de Irajá, dizem vizinhos

Desabamento de casa em Irajá deixa duas pessoas mortas e três feridas

GALERIA: Escombros de desabamento de casa em Irajá


Você pode gostar