Polícia prende mulher que seria a ‘caixa-forte’ do tráfico na Rocinha

Durante ação, agentes prenderam outros dois acusados de envolvimento com o tráfico de drogas

Por O Dia

Rio - Três acusados de envolvimento com o tráfico de drogas na Favela da Rocinha, na Zona Sul, foram presos, de sexta-feira até esta segunda-feira, pela Polícia Civil. Entre eles está uma mulher considerada peça-chave na quadrilha da facção Amigos dos Amigos (ADA) por recolher e guardar em sua casa o dinheiro do movimento das bocas de fumo. Nenhum dos capturados tinha antecedentes criminais. Um mandado de prisão ainda foi cumprido contra um homem que já estava na cadeia.

Polícia prende mulher que seria a ‘caixa-forte’ do tráfico na RocinhaDivulgação/Polícia Civil

A operação foi montada a partir de uma investigação da 11ª DP (Rocinha) que durou 10 meses. Segundo o delegado Gabriel Ferrando, titular da distrital, Jéssica Cerqueira da Silva, presa sexta-feira, é moradora da comunidade e mulher de confiança de Rogério Avelino da Silva, o Rogério 157, de 34 anos, atual chefe do tráfico local. As prisões só foram divulgadas ontem, depois que o último procurado foi capturado.

“A Jéssica é uma mulher jovem, mãe de três filhos, moradora de lá, que, por não ter antecedentes criminais, tinha livre circulação fora, diferente dos envolvidos com o tráfico que não podem sair de seus domínios”, disse Ferrando.

Rogério 157 assumiu o comando do tráfico na comunidade após a prisão de Antônio Francisco Bonfim Lopes, o Nem da Rocinha, em 2011. O Disque-Denúncia (2253-1177) oferece R$ 2 mil por informações que levem a sua captura.

DJ seria o fornecedor

A última prisão desta fase da operação foi efetuada ontem, em Caxias, na Baixada Fluminense. Josemar Ventura da Conceição, capturado em casa, é apontado como um dos maiores fornecedores de drogas para a Rocinha.

Segundo a polícia, ele era DJ, o que facilitava o contato e fornecimento de drogas para outros locais. Com Josemar, foram apreendidos uma pistola Glock .40 e dois carregadores para a arma. “O tráfico procura, cada vez mais, arregimentar pessoas jovens, sem antecedentes criminais”, afirmou o delegado Gabriel Ferrando.

Últimas de Rio De Janeiro