Jovem denuncia agressão em boate da Zona Sul

Crime teria acontecido no último domingo, na boate Cafe de La Musique Rio, na Lagoa. Ela foi agredida com tapas na nuca

Por O Dia

Rio - Uma festa, muita diversão e um crime. No último domingo, uma jovem foi agredida com três tapas na nuca por um homem dentro de uma boate, na Zona Sul do Rio, após se recusar a ficar com o rapaz. O incidente aconteceu na madrugada, na boate Cafe de La Musique Rio, na Lagoa.

Segundo o relato da estudante Ana Clara Côrtes, de 21 anos, ela dançava com uma amiga na pista do estabelecimento quando foi abordada por um homem. Ana Clara dispensou o rapaz e, após uma rápida conversa, ele teria dado três tapas na nuca da vítima.

Ana Clara Côrtes%2C de 21 anos%2C diz que foi agredida%2C no último domingo%2C na boate Café de La Musique Rio%2C na LagoaReprodução Internet

Após o episódio, a jovem chamou um dos seguranças do local e comunicou o fato. Ela informou que um dos funcionários teria dito que "era melhor ela deixar pra lá". Ainda conforme a estudante, o segurança teria dito que "era pra ela pegar leve e não criar problemas na boate".

As agressões não pararam por aí. Ana Clara disse que, ao sair da boate, o mesmo homem a abordou novamente, acompanhado de um amigo e de seu irmão, que a assediaram moralmente. Os três, que se identificaram como advogados, teriam dito que a agressão não seria detectada por um exame de corpo de delito. O homem ainda teria zombado dela dizendo que, caso a jovem prestasse depoimento na delegacia, "qualquer queixa seria em vão".

Ana Clara informou que procurou a gerência da casa para denunciar o epísodio. De acordo com a jovem, o gerente afirmou que não poderia fazer nada diante da postura do funcionário, já que a empresa de segurança que presta serviço para a boate seria terceirizada.

Jovem fez relato de agressão na internet Reprodução Internet

Na última segunda-feira, Ana Clara Côrtes, procurou a 14ª DP( Leblon) e registrou um boletim de ocorrência por agressão e fez um exame de corpo de delito no Instituto Médico Legal (IML). De acordo com a família da estudante, o caso já está sendo analisado por advogados. Os parentes não souberam dizer se tomarão providência legais contra a boate.

Segundo a 14ª DP, as investigações do caso estão em andamento. A vítima prestou depoimento e foi encaminhada para exame de corpo de delito — que deverá ficar pronto em alguns dias. Ainda de acordo com a Polícia Civil, agentes buscam testemunhas e imagens de câmeras de segurança que possam ajudar a elucidar o episódio.

Procurado pela reportagem, o responsável pela casa noturna disse que a menina não procurou ninguém da boate para prestar queixa. "Trabalho há 10 anos com entretenimento e nunca passei por uma situação dessa. Confesso achar tudo muito estranho. Primeiro, ninguém da gerência da casa noturna foi procurada no momento por Ana Clara. Segundo, não fomos procurados por ninguém da Polícia Civil solicitando imagens do circuito interno de TV, que estão a disposição. Terceiro, porque Ana Clara não responde a nossas mensagens através da rede social onde fez a denúncia. A casa noturna está à disposição para auxiliá-la", destacou.

Confira a integra do relato da jovem no Facebook.

"Boa tarde a todos!
Vim aqui para relatar um fato que ocorreu ontem durante a festa.
Estava dançando com minha amiga na parte superior do evento, perto do bar ecamarotes, lateral ao palco dos Djs, quando fui abordada por um homem, cujo nome não sei, que "estava querendo me conhecer". Não interessada em conhecê-lo, não o respondi como ele esperava, e, para a minha surpresa, obtive uma resposta inesperada. LEVEI TRES TAPAS NA NUCA!!!! Chamei os seguranças e para piorar a situação, eles ME IGNORARAM!  Aquele homem que mal me conhecia, acompanhado do irmão e o amigo, me bateu e os seguranças foram incapazes de fazer algo!  E, para piorar a situação, os 3 diziam ser advogados e me abordaram novamente, AGRESSIVAMENTE, e falaram que, por ser na nuca, não haviam provas e que se eu fosse à delegacia prestar queixa, seria em vão. Queria agradecer por todo apoio e segurança que a produção do evento me proporcionou! E aos queridos, que se dizem homens, em especial ao que me bateu, aprendam a respeitar um NÃO dado!"


Reportagem de Rafael Nascimento


Últimas de Rio De Janeiro