Para aliados, deputados a favor do impeachment mudaram de posição

Parlamentares perceberam que Michel Temer não tinha como cumprir todas as promessas feitas em troca de votos

Por O Dia

Rio - Para aliados do governo, deputados que eram favoráveis ao impeachment mudaram de posição ao perceber que Michel Temer não tinha como cumprir todas as promessas feitas em troca de votos. 

“Eles (o grupo do vice) bateram no teto, ofereceram demais, prometeram o mesmo cargo para mais de uma pessoa”, diz o deputado Chico D’Ângelo (PT-RJ). Ministro da Ciência e Tecnologia, Celso Pansera (PMDB) ironiza a promessa de Temer de diminuir de 31 para 20 o número de ministérios. “Para caber todo mundo, eles teriam que ‘enxugar’ de 31 para 40”, diz.

Balcão renovado 

Os aliados de Dilma aproveitaram para reabrir negociações e ofertas de cargos: a própria presidente se reuniu com deputados, o que voltará a fazer hoje.

Os ‘nem-nem’

O desgaste da imagem de Eduardo Cunha, presidente da Câmara e condutor do processo de impedimento, também é citado pelos governistas como um fator positivo. Dizem que em torno de dez deputados, alguns do PSB, criaram o movimento ‘nem-nem’ — nem Dilma, nem Cunha — e decidiram optar pela abstenção. Os favoráveis ao impeachment precisam de 342 votos.

Ajuda de Garotinho

Apesar de o dia de ontem ter sido favorável ao governo, senadores aliados avaliam o que farão caso o processo de impeachment seja aprovado na Câmara e chegue às suas mãos. Há quem defenda até a possibilidade de Dilma, nesse caso, convocar eleições para presidente como forma de constranger Temer. O problema é que o atual vice teria que renunciar ou ser afastado.

Prudência de Dilma

A maré favorável fez com que Dilma reavaliasse sua ida, hoje, a um acampamento do MST. Amigos acham que ela deve evitar situações que possam estimular conflitos.

Oposição confiante

Apesar do otimismo dos governistas, a oposição se diz confiante. O deputado Otavio Leite (PSDB-RJ) diz que há uma boa margem favorável ao impeachment.

Cobrança do funk

Na manifestação de funkeiros contra a saída de Dilma, amanhã, em Copacabana, MCs vão cobrar a posição de deputados do estado. Dirão os nomes daqueles que foram pedir votos em favelas. MC Renegado, de Belo Horizonte, virá ao Rio e citará os parlamentares que pediram votos em áreas pobres de Minas Gerais.

Dinheiro e folga

Com os salários pagos em dia e no início do mês pelo governo do estado, desembargadores, juízes e servidores da Justiça poderão aproveitar melhor o feriado de Tiradentes na quinta — na sexta, eles não terão expediente.

Festas olímpicas

O pessoal que seleciona interessados em participar de cerimônias da Olimpíada vai, na terça, à Mangueira. Inscrições para testes podem ser feitas no email elenco@cc2016.com.br ou no telefone 2553 2016.

Últimas de Rio De Janeiro