Por gabriela.mattos

Rio - O PT quer aproveitar as eleições municipais deste ano para tentar recuperar a imagem do partido, abalada pelo Petrolão e pela campanha do impeachment de Dilma Rousseff. A direção petista pretende lançar candidatos próprios em todas as capitais e nas cidades que tenham emissoras de TV — usará o horário eleitoral para se explicar.

Ao eleger, em 2014, a maior bancada de deputados federais, o partido ganhou o direito à maior fatia do tempo no rádio e na TV. Pretende usá-la para divulgar seus candidatos e ressaltar as qualidades de seus governos.

A missão 1
A viagem do senador Aloysio Nunes Ferreira (PSDB-SP) aos Estados Unidos para rebater a acusação de que o impeachment de Dilma é um golpe tem um precedente histórico. Em 1964, Carlos Lacerda, governador da Guanabara, foi enviado ao exterior para explicar a derrubada de João Goulart pelos militares. 

A missão 2
No livro ‘Depoimento’, Lacerda conta que a missão lhe fora confiada pelo presidente Castelo Branco. “Estamos com um ambiente lá fora muito ruim; a imagem da Revolução está sendo muito deformada pela imprensa estrangeira. Em toda parte a Revolução está se apresentando como um golpe fascista (...)”, disse o general.

Sem dinheiro
Governador em exercício, Francisco Dornelles afirma que não tem como cumprir ordem judicial que determina o pagamento de aposentados. Revela que, ontem, o governo tinha em caixa R$ 3 mil.

Caça ao desperdício
Selecionados em programa de revelação de talentos promovido pelo governo estadual, 18 servidores vão fazer uma varredura nos contratos assinados pela administração pública. O trabalho tem o objetivo de reduzir custos.

Fuga pela janela
Mais uma mostra dos absurdos da política brasileira. Dos 21 vereadores de Nova Friburgo, 19 aproveitaram a ‘janela’ aberta pelo Congresso Nacional e trocaram de partido.

Você pode gostar