Com Temer no governo, Serra deve cuidar de comércio exterior

Senador do PSDB é cotado para assumir Ministério das Relações Exteriores

Por gabriela.mattos

Rio - O Ministério das Relações Exteriores que deverá ser entregue ao senador José Serra (PSDB-SP) num eventual governo de Michel Temer passará a cuidar também das relações comerciais com outros países.

Graças a uma negociação conduzida pelo ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, o Itamaraty de Serra herdará a Apex (Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos) e a Secex, Secretaria de Comércio Exterior, hoje subordinada ao Ministério do Desenvolvimento, que deverá ser extinto.

Conversas
Ou seja, Serra terá muito o que conversar com o provável futuro ministro da Fazenda, Henrique Meirelles. Em novembro do ano passado, o senador criticou a gestão de Meirelles, presidente do Banco Central no governo Lula.

‘Ignorante’
“Não me lembro de presidente do Banco Central tão ignorante ou comprometido com a especulação cambial como esse senhor”, afirmou Serra. 

Pedido a Cunha 
Em conversa ontem com Eduardo Cunha, Francisco Dornelles pediu que ele agilize a votação de projeto do governo federal que aumenta em 20 anos o prazo para pagamento das dívidas dos estados com a União.

Sem mudança
O governador em exercício diz não acreditar que o Supremo Tribunal Federal aprove a mudança no cálculo dos juros da dívida dos estados, medida que reduziria muito o tamanho do débito. Afinal, a decisão criaria um precedente que poderia ser utilizado por todos que devem aos bancos, o que poderia gerar uma quebradeira no sistema financeiro nacional.

Sem política
Dornelles nega que tenha tratado de política com Cunha. “Não sou mais político, só cuido de caixa”, desconversa.

MP apura isenções
O Ministério Público Estadual instaurou inquérito para investigar isenções fiscais concedidas pelo governo estadual à Cervejaria Petrópolis a partir de 2003. O promotor Alberto Flores Camargo quer saber se o benefício foi irregular e lesou os cofres estaduais.

Autores
O pedido de abertura de inquérito foi protocolado pelos deputados Eliomar Coelho e Paulo Ramos, ambos do Psol.

Descaso
Por falta de pessoal de apoio, o IML tem levado até três dias para liberar cadáveres. Sem receber pagamentos, a empresa de limpeza contratada pelo governo retirou faxineiros encarregados de higienizar as salas de exames.

Acabou o papel
Por falar nisso: há falta de papel higiênico em alguns banheiros do Palácio Guanabara.

Ligações perigosas
Há algo no ar nas ligações entre celulares. Muita gente tem ligado para um número e descobre que a ligação foi direcionada para outro telefone.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia