Ezequiel Teixeira debocha de afastamento de Cunha da Câmara

Ele disse que parlamentar não representa o povo evangélico. 'Devem pregar o verdadeiro Evangelho para ele', afirmou

Por O Dia

Rio - A bancada evangélica não reza na mesma Bíblia. O deputado Ezequiel Teixeira (PTN-RJ) foi um dos primeiros a debochar do afastamento de seu desafeto Eduardo Cunha da presidência da Casa.

Teixeira disse que Cunha não representa o povo evangélico e ironizou os pastores e líderes aliados do peemedebista durante a campanha.“Espero que não o abandonem, ao contrário, devem pregar o verdadeiro Evangelho para ele. Quem sabe se converte. Repito: não deixem de pedir perdão, só Deus sabe quanto custou esse apoio”, atacou.

Cargos por apoio
Dois secretários estaduais que têm sofrido críticas de deputados governistas dizem que esses mesmos parlamentares exigiram, esta semana, nomeações para empregar afilhados políticos.

Picciani e aposentados
Presidente da Assembleia Legislativa, Jorge Picciani (PMDB) afirma ter sido um dos responsáveis, junto ao Tribunal de Justiça, pela liminar que garantiu o pagamento dos servidores aposentados.

De volta à Tribuna
Coincidência ou não, Picciani presidiu do início ao fim a sessão de ontem na Alerj. A coluna mostrou que, desde o começo do ano, ele presidira apenas cinco vezes, e nunca do início ao fim.

Acabou a vacina
A prefeitura marcara para ontem vacinação contra a gripe para os funcionários da sede administrativa. Cancelou por falta de... vacina. Que zica!

Prestigiado
Diante da pressão crescente pela saída do secretário estadual de Educação, Antônio Neto, o governador em exercício, Francisco Dornelles, garantiu que não o demitirá. “Nem se cortarem a minha mão”, disse. Neto foi nomeado por Pezão em 1º de janeiro do ano passado.

Últimas de Rio De Janeiro