Por thiago.antunes
Rio - O casal dono do depósito de gás onde trabalhava o jovem Marcos Aurélio dos Santos, 19 anos, que morreu atropelado por um ônibus no dia 9, na Avenida Dom Hélder Câmara, em Pilares, na Zona Norte do Rio, foi preso nesta terça-feira por policiais da 24ª DP (Piedade).
Eles vão responder por homicídio culposo sem intenção de matar, pois não deram boas condições de trabalho a Marcos Aurélio, que conduzia a bicicleta da empresa.
Publicidade
De acordo com familiares e amigos, a bicicleta estava sem freio. Ele descia uma ladeira da Rua Assis de Vasconcelos de bicicleta, com um botijão na garupa e um fone de ouvido música, quando se chocou contra o coletivo da empresa Novacap. Testemunhas afirmam que ele ainda tentou parar a bicicleta com os pés.
“A justiça foi feita, pois não tinha freio no instrumento de trabalho do Marcos, que agora pode descansar em paz”, disse Luana de Oliveira, amiga de marcos que o alojou em sua casa.
Publicidade
Segundo o delegado titular de Piedade, Hércules Pires, o casal Grayce Maria Campos e Wolf Dierter Lindner também vão responder por armazenamento de derivados de petróleo. Três botijões de gás foram encontrados na mala do carro.
O delegado explicou ainda que a loja onde o ciclista trabalhava não tinha autorização da Agência Nacional de Petróleo (ANP) para vender e transportar botijões de gás, que segundo a polícia, configura também crime contra o consumo e economia popular.