Por adriano.araujo

Rio - A Copa nem começou, mas uma seleção de roupas ecologicamente corretas deixará os fashionistas bem mais charmosos na hora de gritar gol. O projeto Eco Moda, da Mangueira, lança sua nova coleção, a Eco Copa, em plena Central do Brasil, na quinta-feira — Dia Mundial do Meio Ambiente. Entre os itens estão vestidos reciclados, meiões à base de mangas de camisas e bolsas de lona de mangueira.

>>>GALERIA: Projeto lança coleção de roupas feitas com material reciclável

“Fazemos um trabalho de geração de renda e redução de resíduos. Em dois anos de projeto mais de oito toneladas de deixaram de ir para o lixo”, afirma Mônica Monteiro, superintendente de Território e Cidadania da Secretaria de Estado do Ambiente, responsável pela iniciativa. “A ideia é que eles virem empreendedores. As peças são bem vendáveis e de qualidade. Se você for a Ipanema encontra coisas assim por mais de R$ 300”, afirma, enquanto mostra uma blusa reciclada com um antigo uniforme da Lei Seca.

Anastácia Gabriel usa blusa e calças que os alunos do Eco Moda tingiram e serigrafaram. A modelo ainda usa sapatos customizados e uma carteira feita de lona recicladaPaulo Araújo / Agência O Dia

A coleção está sendo feita pelos 200 alunos da turma mais recente do projeto, que dura cinco meses. “Ensinamos desenho, modelagem, costura e história da moda. Fazemos diversos itens, mas nossa as bolsas são referência”, afirma Almir França, um dos coordenadores.“Trabalhamos com as cores do Brasil e misturas, como as de serigrafia e aplicações.”

Durante o curso, os estudantes recebem uma bolsa-auxílio de R$ 120 e após o término podem fazer um estágio dentro da instituição ou serem encaminhados para organizações parceiras, como o Sebrae e o Senai. “Recebemos alunos de todos os tipos, inclusive analfabetos que encaminhamos para a escola”, diz Almir.

Pedro Lopes, de 26 anos, morador da Mangueira, é só sorrisos. Integrante da primeira turma do Eco Moda, conseguiu ficar como estagiário e logo após foi contratado como assistente de moda. “Foi ótimo, o resultado de um bom trabalho que fiz quando era aluno.”

Gabriel Levi (de pé) e Rodrigo Nascimento vestem meiões feitos com mangas de camisasPaulo Araújo / Agência O Dia

Se no início era difícil captar matéria prima para as coleções, Almir afirma que hoje são as empresas que os procuram. “O Metrô tinha que descartar mangueiras: reciclamos e viraram bolsas”, cita, lembrando ainda da grife Reserva, que dá para eles as peças das estações passadas. A coleção Eco Copa está à venda na sede do projeto. “Temos peças a partir de R$ 20 e a renda vai integralmente para os artistas da comunidade”, avisa Almir. Com tanta disposição, vai ter Copa...

Carreira na moda é o grande sonho

?Os modelos que estrelam essa página são ex-alunos dos cursos do Eco Moda. Anastácia Gabriel, 23 anos, saiu do Eco Moda e cursa técnica em produção de moda numa escola na Zona Sul. O grande sonho da jovem é ser modelo. “O Eco Moda dá um ‘up’ na gente. Eu sempre venho e desfilo quando eles lançam uma coleção.”

Daniele Nunes, 18 anos, também é e-aluna e sonha com carreira nas passarelas. “Fiz curso aqui e sou apaixonada pelo Eco Moda.”

Os rapazes também querem conquistar seu espaço no mundo fashion. Gabriel Levi e Rodrigo Nascimento, ambos de 18 anos, sonham com carreiras internacionais. “Gosto da área e quero seguir”, afirma Gabriel.

Respeito à característica de cada local

?Além do Eco Moda da Mangueira, o projeto da Secretaria de Estado do Ambiente tem mais quatro polos: Paracambi, Guapimirim, Cordovil e São Gonçalo. “Procuramos trabalhar as características de cada região, que são diferentes entre si. Em São Gonçalo por exemplo fizeram uma série de acessórios com couro de tilápia (peixe)”, afirma Mônica. “Em Paracambi, as bijuterias de PET parecem feitas de alumínio.”

A superintendente afirma ainda que até o fim deste ano mais oito polos do Eco Moda serão implantados no estado. “Estamos apenas aguardando os recursos dos royalties do Pré-Sal destinados a ações ambientais. ” Ela ainda não sabe quais bairros e cidades receberão o projeto, mas afirma que está estudando caso a caso. “Também estamos analisando a possibilidade de aumentarmos o curso de cinco meses para um ano, para prepararmos melhor os alunos.”

As inscrições para as próximas turmas do Eco Moda já estão abertas nos próprios polos.

A coleção de bolsas do projeto Eco Moda%2C fabricadas pelos próprios alunos%2C pode ser encontrada no showroom do projeto%2C na MangueiraPaulo Araújo / Agência O Dia


Você pode gostar