Moradores do Santa Marta fazem abaixo-assinado para manter soldado

Segundo moradores, uma possibilidade para a saída de Danielle seria o caso de um sargento da UPP que teria assediado uma soldado

Por marlos.mendes

Rio - A semana começou triste para os moradores do Santa Marta. A soldado da UPP local, Danielle Valério, responsável por festas e casamentos no morro, foi transferida para a Unidade Fé e Sereno na sexta-feira.

A notícia pegou seus admiradores de surpresa e pode deixar cerca de 150 crianças sem a festa de Natal que Danielle organizava. “Não entendo certas decisões. Como tiram alguém que só faz o bem?”, questiona a auxiliar de biblioteca e guia de turismo Renata Paixão. Segundo ela, na época do capitão Rocha, hoje comandando a UPP Borel, a comunidade fez manifestação e conseguiu deixá-lo na favela. “Já temos um abaixo-assinado pela volta da Danielle”, diz.

O sentimento de perda é partilhado por outros moradores: “Parece que sempre que a favela encontra alguém de bem a PM troca”, reclama a guia de turismo Salete Martins. “A cada dia a UPP do Santa Marta vem caindo de produção”, lamenta o também guia de turismo Thiago Firmino. “Não sei o que acontece.”

Segundo moradores, uma possibilidade para a saída de Danielle seria o caso de um sargento da UPP que teria assediado uma soldado. Ela depôs sobre o caso há duas semanas. Questionada sobre a possibilidade, Danielle negou ligação. Sobre a transferência, preferiu não se manifestar.

Em nota a Coordenadoria de Polícia Pacificadora (CPP) informou que trocas de postos são comuns e que a decisão foi tomada pelo comando do Santa Marta, negando relação entre sua saída e o caso do sargento, que continua fazendo trabalhos internos na UPP

Últimas de _legado_Rio sem Fronteiras