Por adriano.araujo

Rio - A circulação no ramais Guapimirim e Vila Inhomirim, no trecho entre as estações Gramacho e Saracuruna, do ramal Saracuruna, foi restabelecida após um carro colidir contra um trem na manhã desta quinta-feira. Esse é o terceiro dia consecutivo a SuperVia apresenta problemas na circulação e o segundo que tem acidente em passagem de nível.

Um homem, identificado como João M. Martins, de 50 anos, foi atendido pelo Corpo de Bombeiros e levado para o Hospital de Saracuruna. Não há informações sobre o seu estado de saúde. Os passageiros do trem tiveram que caminhar pelos trilhos até a plataforma da estação.

Carro invadiu passagem de nível e foi atingido por tremLeitor %40MendoncaDouglas

De acordo com a SuperVia, o veículo acessou indevidamente a passagem em nível que é regularizada e sinalizada. Ainda segundo a concessionária, a passagem em nível se encontra em perfeito funcionamento e corresponde às normas da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), com comunicação luminosa e sonora. Os sinais são ativados automaticamente com margem de segurança suficiente para que o trem siga viagem sem riscos de acidentes.

O ramal de Santa Cruz também operou com atraso, segundo a concessionária. Mais cedo, uma composição precisou ser vistoriada ainda na plataforma. No ramal de Japeri, outra composição também passou por vistoria e a empresa informou que o trem já foi encaminhado à oficina.

Nas estações, os passageiros reclamam da superlotação desde o início da manhã por conta da suspensão da circulação. "Ramal Saracuruna com atrasos desde as 6:00. Plataforma lotada!", disse no Twitter Douglas Mendonça.

O acidente aconteceu um dia após um caminhão invadir a passagem de nível em Parada Angélica, também em Caxias, e atingir uma composição. De acordo com a SuperVia, o veículo acessou indevidamente a passagem de nível oficial próxima à linha férrea. A circulação do ramal Inhomirim está suspensa. Segundo a concessionária, o Grupamento de Polícia Ferroviária foi acionado e não houve registro de vítimas.

Carro ficou destruído após colidir com trem do ramal GramachoLeitor %40MendoncaDouglas

Problemas viram rotina

Nesta quarta-feira, pelo segundo dia consecutivo, um problema com um trem do ramal da Central do Brasil, na estação Engenho de Dentro, na Zona Norte, obrigou passageiros a andar nos trilhos da ferrovia, na manhã desta quarta-feira. Uma composição ficou parada por 15 minutos, cerca de 100 metros após deixar a plataforma. Desta vez não houve depredação. A equipe de O DIA que estava em um dos vagões acompanhou a apreensão e a decepção dos usuários da SuperVia.

O trem que apresentou problemas seguia de Queimados, no ramal de Japeri, em direção a Central do Brasil. De acordo com o porteiro Silas Marcelino, de 41 anos, desde o início da viagem a composição apresentou problemas no trajeto. Ainda segundo ele, os problemas são diários.

"Ninguém dá uma satisfação, ninguém toma uma providência. Queria agradecer a SuperVia por estar me fazendo chegar atrasado mais uma vez. Não sei mais o que justificar", disse ironicamente Silas. O porteiro seguia para Ipanema, na Zona Sul, onde trabalha. Às 8h45, ele embarcava em outra composição.

Passageiros se arriscam caminhando sobre trilhos%2C no Engenho de DentroCarlos Eduardo Cardoso / Agência O Dia

Na terça-feira, os usuários dos trens dos ramais Santa Cruz, Deodoro e Japeri enfrentaram paralisação e atrasos na circulação após um problema em uma composição no Engenho de Dentro. Para complicar mais ainda, um trem foi incendiado em Quintino e um guichê depredado em Piedade. Duas pessoas passaram mal.

A equipe de O DIA embarcou no trem de Queimados às 8h15, na estação de Madureira, para fazer a viagem para a a Central do Brasil, um dia após a depredação de um trem que apresentou problemas na terça-feira. Do modelo antigo com ar condicionado, a composição com todos os vagões lotados chegou a estação do Engenho de Dentro às 8h25.

Ar condicionado desligado

Após deixar a plataforma, o trem parou em frente ao Museu do Trem. Por 15 minutos, o sistema de ar condicionado e as luzes foram apagados e depois ligados novamente por cinco vezes. Durante toda a paralisação, nenhuma orientação ou informação foi passada pelo condutor do trem através do sistema interno de som.

Após 15 minutos, as portas foram automaticamente abertas. Vários passageiros, a maioria homens, começaram a desembarcar por conta própria. Com a ajuda de outros usuários, outros clientes conseguiram sair. Inicialmente, apenas dois funcionários com coletes da Supervia tentavam tirar as pessoas com apenas duas escadas e orientar que elas não andassem pela via. Centenas delas, porém, voltaram para a estação a pé se arriscando. A circulação de outros trens não foi imediatamente interrompida.

Passageiros relataram ter ficado 20 minutos dentro de tremLeitor Fabio Vinicio Gonzaga Trigo

O trem que apresentou problemas seguiu viagem após os passageiros deixarem os trilhos. Eles foram colocados em composições paradoras e semidiretas que seguiam para a Central. Segundo alguns usuários, duas pessoas que estavam no trem em pane chegaram a se desequilibrar e cair. A empresa não informou se houve feridos.

O cozinheiro Vanderlei Rodrigues, de 32 anos, que trabalha em Ipanema, na Zona Sul, viveu o drama de andar pelos trilhos pelo segundo dia consecutivo. Ele embarcara em Nilópolis, na Baixada Fluminense, e relatou os motivos que levam milhares de trabalhadores usuários dos trens a chegar atrasado diariamente no trabalho.

"Tem de tudo um pouco: atraso nos horários, pane, chuva e o lenga-lenga com que os trens andam. E ninguém dá satisfação de nada. Isso aqui é uma vergonha diária", decretou.

De acordo com a SuperVia, a composição usou freio de emergência quando partia da estação Engenho de Dentro. A concessionária informou que os passageiros desembarcaram de forma irregular na via mesmo após serem avisados por meio do sistema de áudio da composição.

A empresa disse que às 8h50 o trem foi restabelecido e seguiu viagem. A circulação nos ramais Japeri, Deodoro e Santa Cruz apresentou intervalos irregulares. A Agetransp abriu boletim de ocorrência para apurar o incidente.

Com informações do repórter Marcello Victor 

Você pode gostar