Por adriano.araujo

Rio - A primeira semana de operação da faixa reversível da Avenida Presidente Vargas, no Centro do Rio, terminou com um saldo de quatro pessoas atropeladas, mas nenhuma vítima fatal.

No primeiro dia, duas pessoas foram atropeladas. Uma das vítimas, atingida por um veículo de passeio por volta das 6h50, não foi identificada, de acordo com o Corpo de Bombeiros. A outra, Pablo Alves Teixeira, de 24, foi levada para o Hospital Municipal Souza Aguiar, após ser atingida por um carro, por volta das 7h15.

Na terça-feira, não houve registro de acidentes no trecho. No terceiro dia da operação, quarta-feira, os bombeiros foram acionados para socorrer Paulo H. Santos, de 23 anos.

Ontem, foi a vez de José Augusto M. Vargas, de 29 anos, ser atropelado na via. Nesta sexta-feira, não foi registrado atropelamento na Avenida Presidente Vargas.

Quatro atropelamentos marcaram primeira semana da reversível da Presidente VargasFabio Gonçalves / Agência O Dia

Segundo a secretaria municipal de Saúde (SMS), das quatro vítimas, duas deram entrada na emergência do Hospital Municipal Souza Aguiar, no Centro. Pablo e Paulo tiveram alta ainda no mesmo dia, informou o órgão. José, segundo a SMS deixou a unidade à revelia. Procurada pela reportagem, a secretaria municipal de Transportes (SMT) se pronunciou sobre o assunto.

Em nota, o órgão lamentou o ocorrido e disse que "180 agentes da CET-Rio, da Guarda Municipal e da concessionária Porto Novo trabalham nesta operação para reforçar a orientação de trânsito junto aos pedestres e motoristas".

Segundo a SMT, "o trabalho também conta com painéis de mensagens variáveis e distribuição prévia de panfletos, que informaram sobre as mudanças viárias na região".

Ainda de acordo com a secretaria, "a Prefeitura do Rio reitera a necessidade que respeito à sinalização e solicita que a travessia seja feita exclusivamente na faixa de pedestres".

A faixa reversível implantada na Avenida Presidente Vargas na segunda-feira funciona de segunda à sexta, das 6h às 11h. Segundo a Prefeitura, a mudança é uma das medidas que fazem parte do plano de mitigação de impactos sobre o trânsito na Região Portuária e seu entorno para o período de substituição do Elevado da Perimetral e implantação do novo sistema de mobilidade urbana do Porto Maravilha.

Você pode gostar