Por adriano.araujo

Rio - Perto de completar três semanas de implantação, a faixa reversível da Avenida Presidente Vargas, criada no dia 14 de outubro, já acumula sete atropelamentos. Na manhã desta sexta-feira, por volta das 7h, Ricardo C. do Nascimento, de 33 anos, foi atropelado, quando atravessava a via, em frente à Central do Brasil.

Segundo informações dos Bombeiros, a vítima foi encaminhada para o Hospital Municipal Souza Aguiar, no Centro do Rio. De acordo com a Secretaria Municipal de Saúde do município, Ricardo sofreu escoriações no couro cabeludo e passa por sutura, na emergência do HMSA. Ele tem previsão de alta para o período da tarde.

Na última sexta-feira, 25, Felipe R. da Silva, de 25 anos, foi atropelado na faixa reversível da Avenida Presidente Vargas. O rapaz foi atingido por um veículo de passeio, por volta das 8h48h, quando atravessava a via, na altura do Campo de Santana.

Segundo informou a assessoria de imprensa dos Bombeiros, Felipe foi levado para a emergência do Hospital Municipal Souza Aguiar, que fica próximo ao local do acidente. Homens do Quartel Central foram acionados para a ocorrência. Ainda não há informações sobre o seu estado de saúde.

Segundo o Centro de Operações da Prefeitura, a faixa reversível ficou interditada entre 8h48 e 9h26, para que as equipes de atendimento prestassem socorro à vítima. Com isso, o tráfego teve que ser desviado para a pista central, sentido Candelária.

A faixa reversível da Avenida Presidente Vargas funciona de segunda a sexta-feira, na pista sentido Praça da Bandeira, onde, das 6h às 11h, o tráfego de uma faixa é invertido para o sentido Candelária.

Nesta quinta-feira, uma pessoa foi atropelada por um carro de passeio, na altura da Central do Brasil. A reversível ficou interditada por 20 minutos. Uma ambulância do Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência) atendeu ao atropelado. José Carlos F. Silva, de 30 anos, foi levado para o Hospital Municipal Souza Aguiar, no Centro. O trânsito apresentou retenção ao longo da via nos dois sentidos.

Na primeira semana de operação da faixa reversível da Avenida Presidente Vargas, quatro pessoas foram atropeladas. Em nota, a Secretaria Municipal de Transportes disse que "180 agentes da CET-Rio, da Guarda Municipal e da concessionária Porto Novo trabalham nesta operação para reforçar a orientação de trânsito junto aos pedestres e motoristas".

Segundo a SMT, "o trabalho também conta com painéis de mensagens variáveis e distribuição prévia de panfletos, que informaram sobre as mudanças viárias na região".

Ainda de acordo com a secretaria, "a Prefeitura do Rio reitera a necessidade que respeito à sinalização e solicita que a travessia seja feita exclusivamente na faixa de pedestres".

Segundo a Prefeitura, a implantação da reversível é uma das medidas que fazem parte do plano de mitigação de impactos sobre o trânsito na Região Portuária e seu entorno para o período de substituição do Elevado da Perimetral e implantação do novo sistema de mobilidade urbana do Porto Maravilha.

Edição: Adriano Araújo

Você pode gostar