Taxistas fazem passeata na Linha Amarela em protesto

Familiares de Alexandre de Almeida, um dos cinco mortos na tragédia desta terça-feira, fizeram passeata na via

Por O Dia

Rio - Depois do enterro de Alexandre Almeida, o taxista morto na manhã desta terça-feira na tragédia da Linha Amarela, amigos, parentes e motoristas do "Movimento Táxi" foram até a via para realizar orações em solidariedade à vítima.

A Linha Amarela chegou a ter alguns pontos da pista sentido Barra interditados, mas já está completamente liberada. 

Moradores da comunidade Águia de Ouro, próxima à via, atiraram pedras nos veículos, danificando um carro de reportagem do DIA. As pessoas que participavam da passeata já chegaram ao prédio da Lamsa, concessionária que adiministra a Linha Amarela. 

Familiares%2C amigos e taxistas fizeram um ato em solidariedade às vítimas da tragédia da Linha AmarelaSeverino Silva / Agência O Dia

Tragédia na Linha Amarela deixa cinco pessoas mortas

Cinco pessoas morreram na manhã de terça-feira, por volta das 9h, após um caminhão que estava com a caçamba aberta atingir a passarela da via e derrubá-la. Cinco pessoas também ficaram feridas. A Linha Amarela ficou interditada nos dois sentidos para a remoção das vítimas. Apenas por volta das 18h que as pistas foram completamente liberadas. Agentes da Defesa Civil tiveram que cortar a passarela em pedaços para conseguir removê-la da pista.

Gláucia Pereira de Andrade ficou mais de meia hora presa nas ferragens do carro do colega%2C que morreuReprodução

Corpos de vítimas foram enterrados nesta tarde

Quatro vítimas fatais da tragédia na Linha Amarela foram enterradas na tarde desta quarta-feira em dois locais distintos do Rio. Adriano Pontes de Oliveira, Célia Maria e o taxista Alexandre Gonçalves de Almeida foram enterrados no Cemitério de Inhaúma, por volta de 13h. Já Renato Pereira Soares, motorista do Palio que foi atingido foi enterrado no Cemitério do Maruí, em Niterói, na Região Metropolitana.

O motorista Luiz Fernando da Costa, de 30 anos, que dirigia o caminhão que provocou a tragédia, foi transferido do Hospital Municipal Lourenço Jorge, na Barra da Tijuca, para uma unidade particular em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense. De acordo com a secretária Municipal de Saúde, a transferência de Luiz Fernando aconteceu durante a madrugada desta quarta-feira. O motorista sofreu uma lesão abdominal e estava sob observação na unidade.

Já Liliane de Souza Rangel, 33 anos, permanece no Hospital Municipal Souza Aguiar. Segundo a Secretaria Municipal de Saúde, ela teve uma fratura na bacia, está sob observação e seu estado de saúde é estável, não correndo risco de morte.

Gláucia Andrade, de 56 anos, e Jairo Venatti, de 44 anos, estão nos hospitais Estadual Alberto Torres e Federal de Bonsucesso, respectivamente. 

Últimas de _legado_O Dia 24 Horas