Por adriano.araujo
Fechamento da Francisco Bicalho por manifestantes deu um nó no trânsito do Rio na manhã desta quarta-feiraCarlos Eduardo Cardoso / Agência O Dia

Rio - Em coletiva no Centro de Operações Rio, na manhã desta quarta-feira, o Secretário Municipal de Transportes, Carlos Osório, comentou a respeito dos transtornos causados pela interdição da Avenida Francisco Bicalho por conta de uma manifestação: 'Foi uma manhã difícil em que teve duas pistas de uma das principais vias da cidade interditadas em pleno horário de rush. Procuramos agir de forma rápida. Liguei imediatamente para o Beltrame e solicitei segurança na região. Agimos imediatamente liberando o fluxo em algumas vias como o Túnel Rebouças e fechando o acesso em outras, como no Elevado 31 de Março. O impacto maior foi sentido na Grande Tijuca. O transtorno se daria em qualquer situação mesmo que a Perimetral e o Mergulhão da Praça XV estivessem abertos. Qualquer cidade do mundo sentiria o impacto', disse o secretário.

A Avenida Francisco Bicalho foi completamente liberada por volta das 9h47 desta quarta-feira, na altura da Quadra da escola de samba Unidos da Tijuca, na Zona Portuária do Rio, após manifestação. A via ficou fechada por cerca de 1h30 nesta manhã, dando um nó no trânsito em diversos pontos da cidade.

Mais cedo, cerca de 100 pessoas realizaram uma manifestação na via, fechando as pistas central e lateral da via no sentido Avenida Brasil. A via foi liberada e fechada algumas vezes, tendo uma faixa liberada às 9h25. Às 9h40, a pista central foi liberada.

O grupo era formado por moradores de um edifício que foi invadido na região. O protesto é pacífico. Os manifestantes escreveram no asfalto a frase "Queremos casa". A Polícia Militar dialogou com os manifestantes para liberarem os veículos retidos.

Há congestionamento e os reflexos chegam à Radial Oeste e Rua São Francisco Xavier, no Maracanã, na pista lateral da Avenida Presidente Vargas, no Centro, e ao longo dos túneis Rebouças e Santa Bárbara. Os reflexos chegam à Lagoa, na Zona Sul. Também há reflexos na Avenida Marechal Rondon, Autoestrada Grajaú-Jacarepaguá, além de ruas do bairro de São Cristóvão.

A CET-Rio interditou a saída do Viaduto 31 de Março, que liga o Túnel Santa Bárbara à Presidente Vargas para evitar que mais motoristas fiquem presos no trânsito. Com isso, o motorista que está no elevado deve seguir em direção ao Santo Cristo.

Reflexos de protesto na Avenida Francisco Bicalho chega à Grajaú-JacarepaguáDivulgação

Outra medida visando desafogar o trânsito foi a interdição da saída do Elevado Paulo de Frontin para a Avenida Francisco Bicalho. O motorista era obrigado a seguir para a Praça da Bandeira e São Cristóvão, onde acessava a Avenida Brasil e Via Binário. O Centro de Operações Rio também adotou o esquema de tráfego utilizado no período da tarde: quem vem da Avenida Rodrigues Alves para o Centro é obrigado a seguir pela Rua Cordeiro da Graça. Com a liberação da pista central da Avenida Francisco Bicalho, esses esquemas foram desfeitos.

Quem vem da Zona Norte em direção à Avenida Brasil deve usar o Viaduto da Mangueira e seguir por Benfica. Já o motorista que vem da Zona Sul deve usar a Via Binário. A CET-Rio enviou agentes de trânsito para o local.


Você pode gostar