'Mais ônibus estão circulando nas ruas', diz secretário municipal de Transportes

Alexandre Sansão não soube dizer quantos estão circulando, mas disse que "tendência é que este número aumente ao longo do dia"

Por O Dia

Rio - A circulação de carros de passeio nas faixas exclusivas para ônibus nos corredores BRS da cidade e na faixa seletiva da Avenida Brasil - medida adotada, excepcionalmente, ontem pela Prefeitura do Rio - continuou liberada no início da manhã desta quarta-feira, mas voltou a ser proibida por volta das 7h. Isto porque, de acordo com o secretário municipal de Transportes, Alexandre Sansão, "mais ônibus estão circulando nas ruas". A paralisação termina às 23h59 de hoje.

"Muitos rodoviários perderam o medo dos grevistas e conseguiram chegar às garagens de suas empresas para trabalhar", disse. Sansão não soube informar quantos coletivos estão circulando. "Não temos ainda como precisar", falou, informando ainda que "a tendência é que este número aumente ao logo do dia e que mais pessoas consigam chegar ao trabalho."

Ônibus depredados nas garagens; paralisação segue pelo segundo dia com poucos veículos nas ruasSeverino Silva / Agência O Dia

Segundo a Secretaria Municipal de Transportes, ontem o dia começou com apenas 10% da frota de ônibus, número que foi aumentando ao longo do dia.

O BRT Transoeste, que começou a operar com 40% de sua frota ontem pela manhã, hoje iniciou sua operação com 50% dos coletivos circulando no eixo Barra da Tijuca - Santa Cruz. No entanto, segue suspensa a circulação no eixo da Avenida Cesário de Melo, que atende a região de Campo Grande. "Não temos ônibus suficiente para atender aquela região", explicou o Alexandre Sansão.

Metrô e Barcas também seguem com o reforço em suas operações, assim como os ônibus que estão circulando estão dando prioridade a ligação com outros modais e a áreas não atendidas por outros meios de transporte.

Assembleia decide rumo da categoria nesta quinta-feira

De acordo com Hélio Teodoro, um dos líderes do movimento grevista, 20% dos ônibus estão rodando na cidade nesta quarta-feira. Segundo ele, houve um rodízio e quem ontem trabalhou hoje não está rodando.

Nesta quinta-feira, uma assembleia às 16h na Candelária vai decidir os rumos da greve, que pode ter mais 24h ou 48h de paralisação. "Ninguém nos procurou para negociar até agora", reclamou Hélio.

?Com greve na Baixada, SuperVia "reformata" operação

Com a adesão da Baixada Fluminense à greve dos rodoviários, a SuperVia "reformatou" sua operação. Além de oferecer mais lugares para a região, trens especiais foram colocados em Nova Iguaçu e Comendador Soares.

"Estamos operando com nossa capacidade máxima. Dos 1.620 milhão lugares que estamos oferecendo, foram colocados 18 mil a mais no ramal Japeri, para atender a população da Baixada", disse o diretor de operações da concessionária, João Gouveia.

A SuperVia disse que não registrou aumento na demanda de passageiros na terça-feira. Segundo João Gouveia, "isto se explica pelo fato do trem depender de outros modais, como ônibus e vans, por exemplo. O trem é um transporte de alta capacidade e ele não se alimenta por si só", falou ele.

LEIA MAIS: Rodoviários da Baixada param nesta quarta-feira

A concessionária afirmou que segue trabalhando com seu plano de contingência. Desde as 4h30, os trens circulam com intervalos de horário de pico. Confira:

- Ramais Deodoro e Santa Cruz: intervalos variam entre 8 e 15 minutos. Foram programadas quatro viagens extras, entre 5h55 e 7h05, com partida da estação Campo Grande para a Central do Brasil, além das viagens especiais das estações Bangu, Deodoro e Madureira.

- Ramal Japeri: intervalos entre 8 e 15 minutos.

- Ramal Belford Roxo: intervalos de 15 minutos.

- Ramal Saracuruna: intervalos entre 10 e 30 minutos.

- Teleférico do Alemão: funciona normalmente.

Últimas de _legado_O Dia 24 Horas