Turistas perdem jogos da Copa após cancelamentos de voos e se revoltam

Nevoeiro fechou para pousos aeroportos Santos Dumont e Galeão nesta manhã. Até 11h, 35 voos tinham sido cancelados

Por O Dia

Rio - Os cancelamentos de voos na manhã desta terça-feira — 27 no Santos Dumont e oito no Galeão somente até as 11h — nos aeroportos do Rio revoltaram turistas estrangeiros que estão no Brasil para assistir aos jogos da Copa do Mundo. O forte nevoeiro na cidade nesta manhã fechou para pousos por mais de quatro horas o Santos Dumont e por quase duas horas o Internacional Tom Jobim, e decolagens aconteciam por instrumentos. Houve momentos de tensão nos guichês das companhias aéreas.

Fila em guichê do Aeroporto Santos Dumont%2C por causa da neblina que atrasou e cancelou vários voosFabio Gonçalves / Agência O Dia

O analista de sistemas belga Raf Criel, de 37 anos, iria voar para Belo Horizonte para assistir à partida de seu país contra a Argélia, às 13h, mas o voo, que estava previsto para às 10h58, foi um dos cancelados no Santos Dumont. O torcedor, que está acompanhando os passos da Bélgica no Brasil, ficou desapontado porque não foi avisado do cancelamento, apesar de reconhecer que a culpa foi das condições climáticas. "Falta comunicação. Recebi um email confirmando o voo, mas não foi falado em nenhum momento que o voo foi cancelado. Fiquei sabendo em cima da hora", disse.

O torcedor francês Sofiane Bekhp também seguiria no mesmo voo para Minas Gerais para torcer pela Argélia. O bancário de 32 anos estava revoltado com a situação e questiou a capacidade do país de receber uma Copa. "O povo é hospitaleiro, legal, mas o que adianta se não tem estrutura? Que país do futebol é esse que não consigo assistir a uma partida?", perguntou. Ele disse que vai processar a empresa Gol.

Os cancelamentos de voos na manhã desta terça-feira revoltaram turistas estrangeirosFabio Gonçalves / Agência O Dia

Belga e argelino se somavam a outros turistas, inclusive brasileiros, que vão ter que assistir à partida pela tevê. Rodolpho Perne, de 34 anos, é professor de educação física e dá aulas de futebol. Assim como outros passageiros do voo que seguia para Belo Horizonte, ele também perdeu a oportunidade de assistir a um jogo do mundial em seu país. "Falta investimento. Se tivesse investido dinheiro em tecnologia nos aeroportos de forma certa, isso não teria acontecido. A grande chance que teria de ver uma copa, estou perdendo por falta de infraestrutura", desabafou. Ele também pretente processar a companhia aérea.

Aeroportos do Rio têm operação prejudicada por conta do nevoeiroCarlos Eduardo Cardoso / Agência O Dia


Últimas de _legado_O Dia 24 Horas