Após 40 anos, obras da TransOceânica finalmente terão início em Niterói

A promessa é de que com a via expressa o deslocamento de quem sai da Região Oceânica para o Centro do Rio seja de 30 minutos

Por O Dia

Rio - Passados 40 anos, finalmente será construída a TransOceânica, em Niterói, um corredor expresso que ligará o Engenho do Mato, na Região Oceânica, a Charitas. O prefeito de Niterói, Rodrigo Neves, e os ministros do Planejamento, Orçamento e Gestão, Miriam Belchior, e das Cidades, Gilberto Occhi, assinaram na manhã desta quinta-feira a ordem de início das obras.

O investimento na obra foi de R$ 310 milhões ao longo dos 9,3 quilômetros de extensão e a estimativa é que na via trafeguem cerca de 80 mil pessoas por dia. A via expressa contará com ônibus no sistema BHLS (Bus of High Level of Service), chamado de "evolução do sistema BRT (Bus Rapid Transit)", com a promessa de serem equipados com ar-condicionado e com portas de ambos os lados.

Neste sistema, os passageiros poderão embarcar nos veículos em seus próprios bairros. Em seguida, os ônibus entrarão na faixa exclusiva do BHLS. A previsão é de que TransOceânica atenda diretamente a 11 bairros da Região Oceânica de Niterói, com 13 estações edois pontos reguladores, um no Engenho do Mato e outro em Charitas, um túnel de 1,3 quilômetro de extensão ligando os bairros de Cafubá e Charitas, sem cobrança de pedágio.

Está prevista, ainda, a integração da via com a estação hidroviária de Charitas, que será transformada em um terminal intermodal. Outra promessa do sistema é a de que o corredor expresso possa reduzir o tempo de deslocamento de quem sai da Região Oceânica para o centro do Rio em uma hora e meia. 

A obra foi realizada com recursos do governo federal e da Prefeitura de Niterói e o prazo de execução é de 24 meses.

Últimas de _legado_O Dia 24 Horas