SuperVia: Após mais de uma hora, circulação no ramal Japeri é liberada

Trens circulam com intervalos irregulares

Por O Dia

Rio - A circulação no ramal Japeri foi liberada às 7h30 desta quarta-feira, após oito estações ficarem fechadas na Baixada Fluminense por 1h20 devido ao descarrilamento de um trem, às 6h10, que saía de Nova Iguaçu com destino à Central do Brasil. No entanto, segundo a SuperVia, os intervalos, que neste horário deveriam variar entre 8 e 15 minutos, são irregulares.

LEIA MAIS: Trem descarrila em Nova Iguaçu e fecha oito estações na Baixada 

Trem descarrilou na saída da estação de Nova IguaçuWhatsApp O DIA (98762-8248)

Com o descarrilamento da composição, passageiros precisaram caminhar a pé entre os trilhos até a estação mais próxima. Ainda não há informação de feridos. O tráfego de trens nesta manhã ficou bloqueado entre as estações Presidente Juscelino e Paracambi.

Nas redes sociais, passageiros reclamaram do acidente com o trem. "Descarrilamento? Que absurdo é esse? Não existe avaliação dos trens e da via?", questionou Marcelo Amorim, no Twitter (@Cekrops). Outro internauta, Pedro Curvelo (@PedroCurvelo), "parabenizou" a conceccionária e os eleitores do governador Luiz Fernando Pezão pelo ocorrido: "Parabéns, SuperVia, por infernizar a vida da classe trabalhadora. Parabéns para você que votou no Pezão".

Oito estações foram fechadas no ramal JaperiSeguidora %40phadrs

Segundo a SuperVia, a liberação do tráfego no ramal Japeri só ocorreu após 1h20 porque os passageiros "ocuparam" as linhas. "Com a ocupação das linhas, este tempo foi superior ao usual para garantir a segurança dos passageiros que caminhavam na via", disse, em nota, a concessionária.

Ainda de acordo com a SuperVia, caso os passageiros não demorassem a liberar a via férrea, "em uma ocorrência como a registrada hoje, a concessionária conseguiria liberar a circulação em um prazo médio de 20 minutos, diminuindo os prejuízos causados aos passageiros".

Passageiros andaram a pé entre os trilhos até a plataforma da estaçãoWhatsApp O DIA (98762-8248)

A concessionária informou também que, assim que o trem descarrilou, "imediatamente, acionou o Plano de Contingência que consiste na comunicação à outras empresas do segmento de transporte e distribuição do Siga Viagem, que permite que o passageiro continue seu trajeto em outro meio".

Técnicos da SuperVia trabalham para reparar os danos causados á via férrea no local e as causas do acidente serão apuradas, disse a SuperVia.

A Agetransp (agência fiscalizadora dos serviços das concessionárias de transporte público, como trens, metrô e barcas) disse que abriu um boletim de ocorrência para apurar as circunstâncias do acidente com o trem em Nova Iguaçu.

"Técnicos da agência reguladora foram deslocados para o local da ocorrência para iniciar a apuração das causas do incidente. O atendimento prestado aos usuários pela concessionária SuperVia também será avaliado, assim como o acionamento e o cumprimento do Plano de Contingência Integrado", disse, em nota, a agência, que informou também que seus técnicos vão acompanhar o restabelecimento da operação no ramal.

Demora em retorno da circulação foi por medida de segurança

Em nota enviada pela SuperVia, a empresa informou que, após o descarrilamento, foi avisado aos passageiros para que permanecessem dentro da composição e esperassem agentes de controle da concessionária para desembarcar nos trilhos e fossem guiados até a plataforma mais próxima.

A concessionária defendeu que não houve demora no atendimento e, logo que constatada a ocorrência, segundo a empresa, sete agentes seguiram imediatamente para o local. Isso levou 10 minutos, segundo a SuperVia.

A justificativa para a demora - uma hora e vinte - no retorno da circulação dos trens foi a necessidade de garantir que medidas de segurança fossem tomadas após a ocupação das linhas até as estações próximas.

Últimas de _legado_O Dia 24 Horas