Por nicolas.satriano

Rio - O secretário estadual de Transportes, Carlos Roberto Osorio, afirmou nesta quarta-feira que não vai autorizar outro reajuste na tarifa das barcas este ano. Segundo ele, qualquer aumento solicitado pela CCR Barcas será rejeitado pelo governo do estado, mesmo que a Agetransp (Agência Reguladora de Serviços Públicos Concedidos de Transportes Aquaviários, Ferroviários e Metroviários e de Rodovias do Estado do Rio de Janeiro) considere a proposta justificável para o reequilíbrio do contrato com a concessionária.

“Já tivemos aumentos das tarifas das barcas, do metrô e dos trens este ano. Conversei com o governador Pezão e consideramos qualquer outro reajuste absolutamente inadequado nesse momento em que a economia passa por dificuldades”, informou Osorio.

Além do reajuste anual, a revisão das tarifas a cada cinco anos é um instrumento previsto em contrato para avaliar o equilíbrio econômico financeiro do serviço. Apesar disso, o secretário explicou que não há penalidade prevista se a Agetransp precisar de mais tempo para julgar a revisão quinquenal.O último reajuste anual, em fevereiro, elevou a tarifa social de R$ 4,80 para R$ 5. Para usuários do Bilhete Único, passou de R$ 3,10 para R$ 3,50.

Como O DIA mostrou em março, a CCR teve mais de R$ 110 milhões em prejuízos nos últimos dois anos. Para haver o reequilíbrio, a tarifa precisaria subir dos atuais R$ 5 para R$ 7,70, para dar conta da operação do sistema. Se fossem levadas em conta reformas nas plataformas e manutenção das barcas, valor ultrapassaria R$ 10.

Você pode gostar