Por thiago.antunes

Rio - A 20ª turma do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro julga nesta quarta-feira a liminar da Vara da Vazenda de Magé que proibiu o Instituto Estadual do Ambiente (Inea) de conceder licença ambiental a um aterro sanitário em Magé. O pedido foi apresesentado pelo Ministério Público, que alegou que, além de riscos ambientais, o aterro em risco sítios arqueológicos, inclusive em áreas que abrigaram quilombos, e peixes ameçados de extinção que vivem em rios locais.

Além disso, alega que há leis municipais que proíbem aterrros à beira de rios ou da Baía de Guanabara e a menos de três quilômetros de residências.

Você pode gostar