Genesis Torres:Um pouco de História

Os municípios são chamados assim por quê? ( parte II)

Por O Dia

Os vilarejos mais ao pé da serra, como o de Queimados, eram ideais para servir de pouso, descansar a tropa, reabastecer de alimentos ou mesmo para uma parada antes de enfrentar a subida. Um pouso de tropeiros ficava na Freguesia de Marapicu. Criada em 1755, a Freguesia tinha quatro engenhos, Marapicu, Cabuçu, Mato Grosso e Piranga, várias engenhocas para o fabrico de aguardente e algumas “casas de farinhas”.

Com a expansão dos engenhos e roças e o comércio da lenha, após a queimada da floresta e sua derrubada, a terra era preparada para o roçado. Mato naquela época tinha o sentido de floresta, e a prática da queimada ou coivara – já usada pelos índios — foi seguida pelos colonos. Estaria na prática de “mato queimado” a origem do topônimo Queimado? No mapa do engenheiro Camillo Maria de Menezes, de 1851, o nome Queimados aparece consolidado. Temos grafado: pouso dos Queimados, rio dos Queimados, direção dos Queimados, estrada dos Queimados, caminhos dos Queimados.

A chegada do trem em 1858, com transporte rápido e eficiente, deslocou o eixo econômico dos portos para a ferrovia, atraindo moradores e comerciantes para perto da estação. Por volta de 1865 é construída a Igreja de Nossa Senhora da Conceição em Queimados. O município, emancipado em 1992, é um dos com maior crescimento da Baixada.

Mesquita fica na mesma rota da Estrada de Ferro Pedro II, construída em 1858. As terras do Engenho da Caxueira e ficava às margens do rio do mesmo nome, hoje Canal Dona Eugênia. Além da cana-de-açúcar, colheu café no Século 19. Os nomes das paradas e estações ferroviárias com o tempo viraram nome dos lugares.

Igreja de N. S. da Conceição%2C em Queimados%2C de 1865Divulgação

Cachoeira perdeu para Jerônymo de Mesquita, e o Jerônymo com o tempo também sumiu do mapa. A margem direita da ferrovia apresentava colinas, com barro de razoável plasticidade, para fabrico de tijolos e telhas e as cerâmicas ou olarias foram sendo instaladas, na parte mais baixa. Perto da estação de Jerônymo de Mesquita surgiria a Companhia Material de Construção Ludolf & Ludolf.

À margem esquerda, na Rua da Cachoeira, tentava crescer um vilarejo, logo perdendo importância para o povoado incentivado pela ferrovia, no entroncamento dos caminhos que comunicavam Cachoeira com a sede da Freguesia de Santo Antonio de Jacutinga, a única a ter o nome de uma das aldeias dos índios tupinambás.

Desnecessário citar que a explosão demográfica desses lugares deveu-se à ferrovia, notadamente a partir do trem elétrico, na década de 1930, e declínio da citricultura que propiciou o surgimento de loteamentos.Mesquita emancipou-se em setembro de 1999.

Últimas de _legado_O Dia na Baixada