Saída de secretário abre crise em Mesquita

Titular da Educação demitido deve ser candidato a prefeito. Três colegas de pasta pediram para sair

Por O Dia

A decisão do prefeito de Mesquita Gelsinho Guerreiro (PSC) de exonerar o secretário de Educação, Rodrigo Rodrigues dos Santos, o RR, no início do mês, lhe rendeu mais um inimigo político na cidade. De antigo aliado, o ex-secretário agora pretende entrar na disputa pela prefeitura no ano que vem. Ele acena para a alternativa de se unir com o vice-prefeito Waltinho Paixão, que rompeu com o prefeito no início do governo.

“A possibilidade de ser candidato é real, mas tudo vai depender do cenário político do momento. Não vejo problemas de ouvir o Waltinho. Tenho um grande respeito pela história da família dele”, afirmou RR.

O ex-secretário atribuiu sua demissão ao desgaste que teve com o secretário de Governo, Evandro José Ferreira Taveira, por criticá-lo pela falta de planejamento para a cidade e aos boatos de que seria candidato a prefeito. “O Gelsinho nem conversou comigo. Tomei conhecimento da minha saída pelo jornal”, comentou.
Em 2012, RR teria sido eleito vereador com 1.242 votos, mas não assumiu o cargo porque não apresentou a documentação exigida pelo TRE dentro do prazo.

OUTRA BAIXA 
Esta semana, o prefeito teve mais uma baixa no seu secretariado. Ex-braço direito de Gelsinho e secretário de Trabalho, Desenvolvimento Econômico e Comunicação, Romulo Melo Massacesi pediu para sair do cargo “por discordar da forma de como o governo vem sendo conduzido”. 

Massacesi era peça chave no grupo de Gelsinho Guerreiro, antes mesmo dele se eleger vereador, em 2008. “Tínhamos sonhos e propostas. Mas ao sentar na cadeira tudo mudou. Só o Gelsinho e o secretário de Governo mandam. Se não tivéssemos voz e a gestão estivesse bem, não teria problema, mas estou vendo minha cidade afundar”, disparou.

Massacesi não descartou apoiar a candidatura a prefeito do ex-secretário de Educação Rodrigo Rodrigues, caso se confirme. “O Rodrigo foi um grande secretário, é meu amigo, um irmão. Seria uma grande saída para a cidade, mas ainda não conversamos sobre isso. Estou triste por ver um projeto que ajudei a construir ser destruído desta forma”, lamentou.

Oposição pode unir as forças para a disputa

Em 2012, o prefeito Gelsinho Guerreiro rompeu com o vice-prefeito Waltinho Paixão (PRP). O motivo foi o lançamento da candidatura da mulher, Daniele Guerreiro (PMDB), eleita deputada estadual com 55.821 votos, a mais votada da região. Na ocasião, o prefeito demitiu sete funcionários e tomou o carro cedido ao gabinete de Paixão. “O dono da caneta é ele. Ou faz o que ele quer ou corta a cabeça. Não escuta e não comunica nada a ninguém”, disparou.

Ano passado, Waltinho Paixão não foi eleito deputado estadual com 5.815 votos e está em busca de apoios para sua candidatura no ano que vem. Waltinho vê com bons olhos uma aliança com o ex-secretário de Educação Rodrigo Rodrigues. “Por que não? Está na hora de unirmos as forças de oposição para tirar a cidade do buraco”, avaliou o vice-prefeito.

Pela assessoria de imprensa, o prefeito Gelsinho Guerreiro limitou-se a dizer que “as mudanças no secretariado fazem parte de uma ampla reformulação administrativa”. Já sobre a possível candidatura de Rodrigo Rodrigues, ele ressaltou que “são direitos garantidos a qualquer cidadão em um estado democrático”.

No mês passado, a ex-delegada Maria dos Anjos Camardella e o engenheiro civil Fabiano Muniz da Silva pediram exoneração das pastas de Assuntos Institucionais e Saúde, respectivamente. “Não podia ganhar dinheiro para ser só enfeite. Não deixaram eu trabalhar”, disse a ex-delegada.


Últimas de _legado_O Dia na Baixada