Plano de Contenção de Meriti é reconhecido pela ONU

O Plano de Contingência de Proteção e Defesa Civil (Plancom 2014/2015) funciona e conta com 12 blocos de alarme

Por O Dia

Com equipes bem preparadas, que recebem treinamento sistemático, capacitadas para orientar e retirar moradores de áreas de risco, a Defesa Civil de São João de Meriti atingiu um alto nível de reconhecimento técnico, com um importante destaque internacional: o de Cidade Resiliente, conferido pela Organização das Nações Unidas (ONU), através do projeto UNISDR (The United Nations Office For Disaster Risk Reduction) ou Escritório das Nações Unidas para a Redução do Risco de Desastres, destinado às cidades com capacidade de resistir, absorver e se recuperar de forma eficiente dos efeitos de um desastre e de maneira organizada prevenir que a vida e bens não sejam perdidos.

O subsecretário de Defesa Civil de São João de Meriti, Coronel Alexandre Silveira, assegura que o município está preparado para qualquer situação de risco causado por desastres naturais como deslizamentos, enchentes, alagamentos ou desmoronamentos na região. “Hoje a Defesa Civil de Meriti é respeitada e considerada uma das melhores no Estado do Rio de Janeiro”, diz.

Desde a tragédia em dezembro de 2009, quando um forte temporal destruiu praticamente a região serrana e vários bairros da Baixada Fluminense, inclusive São João de Meriti, com a morte de um morador, no bairro de Jardim Íris, além de centenas de desabrigados, o município nunca mais registrou qualquer tipo de tragédia causado por fatores naturais. “Não temos nenhum registro de vítimas desde 2010”, lembra Alexandre Silveira.

O Plano de Contingência de Proteção e Defesa Civil (Plancom 2014/2015) está pronto e funcionando. Um dos pontos de destaque é a prevenção. “Nossa visão é o da valorização da vida, e também o de diminuir riscos para a população. Hoje, temos condições de evacuar áreas com pessoas em situação de perigo, antecipadamente, principalmente depois da implantação das sirenes e pluviômetros em áreas de encosta ou de inundação. Essa missão agora é possível ser cumprida”, adianta.

Ao todo são 12 blocos de alarmes, com alcance de até 2km, distribuídos pelas regiões em constante estado de alerta, casos de chuva, e quatro pluviômetros que medem a quantidade de água nas áreas de maior incidência de alagamentos e inundações.

Sem perder o foco

Meriti possui 55 morros e alguns avaliados no grau 4 (altíssimo) risco. Ou seja, 30 mil pessoas ou nove por cento da população vivem sobre a ameaça de algum tipo de tragédia provocada pela natureza. Para manter uma vigilância constante, o coronel Alexandre mapeou cada centímetro do município através do Plano Municipal de Redução de Risco, classificando as regiões em Áreas e Setores de Risco a Escorregamento e Inundação do Município.

Por exemplo, 7.625 edificações foram classificadas com possibilidade de desabamento. Sendo que, 2.528 em alto risco e 5.097 em altíssimo. E ainda 9.651 em risco de inundação. Porém, todos vigiados constantemente.

Além dos 12 alarmes fixados nas Ruas Javali, Vila Ruth, Itacaré, Vilar dos Teles, Doutor Brasil Valério, Venda Velha, Rotatória Pio X, Morro do Pau Branco, Ana Maria de Queiroz, Parque Analândia, Jesuíno de Andrade, São Mateus, Rua Chumbo, Coelho da Rocha, Rua Montevideo, Praça da Bandeira, Rua da Divisa, Vilar dos Teles, Base da Defesa Civil, também foram construídas três encostas: uma na Avenida Getúlio Vargas (Vila São Jorge), Rua dos Coelhos (Jardim Íris) e Rua Carmelita Vilard de Andrade (Vila Colúmbia).

Últimas de _legado_O Dia na Baixada