Salão em casa é ótima opção para quem não tem tempo

Empresária de Caxias cria serviço para celebridades que adoram mordomia. E atende em qualquer lugar do estado

Por O Dia

O atendimento diferenciado — em domicílio — fez a empresária Michelle Cordeiro, de 32 anos, atrair clientes famosas para o seu Hebron Estúdio Hair (Rua Conde de Porto Alegre 477, sala 408, Jardim 25 de Agosto, Duque de Caxias, tel.: 3123-8347). Na lista das celebridades que aderiram à mordomia de receber o salão de beleza em casa estão a modelo Gracyanne Barbosa e a cantora gospel Fernanda Brum.

Segundo a dona, o salão atende moradoras de qualquer local do estado. “O atendimento em casa é um facilitador, pois muitas pessoas não conseguem ir ao salão de beleza devido à correria dos tempos modernos e às dificuldades de locomoção. O Estúdio Hebron possui uma equipe que se desloca com toda a tecnologia utilizada em nossos salões e leva para a casa do cliente”, conta.

Empresária Michele Cordeiro (D) e a gerente Cláudia Juvenal usam técnica de mega hair com fitas adesivas na raiz Estefan Radovicz / Agência O Dia

Uma das famosas que fazem o cabelo no Hebron (Michelle não revela o nome!) conheceu o salão interessada em uma técnica de mega hair aplicada com fitas adesivas na raiz do cabelo. O procedimento é chamado Extensão Brasil. “Em 30 minutos a uma hora, a cliente fica com o cabelo alongado. Todos os nossos implantes são com fios 100% humanos”, diz.

Outra tendência em alongamento é o Microlink, método que não usa colagem. “A extensão é presa com um pequeno anel no couro cabeludo. O objeto é colocado no sentido do crescimento do cabelo. Dessa forma, os fios não se danificam ao crescer, já que o anel vai descendo com o cabelo”, explica a gerente técnica, Cláudia Juvenal.

A manutenção a cada 60 dias é essencial para evitar que as madeixas embolem,explicam as especialistas. Segundo Cláudia, uma aplicação segura requer uma boa limpeza do couro cabeludo antes do implante.

O salão está com inscrições abertas para turmas de capacitação profissional no segmento de beleza para pessoas com Síndrome de Down com 16 anos ou mais. O projeto ‘Beleza sem Barreiras’ visa garantir que essas pessoas possam ter independência social e financeira. O curso gratuito deve começar em dois meses.

Últimas de _legado_O Dia na Baixada