Cursos para a comunidade

Instituto Meduca oferece aulas de alfabetização digital, artesanato, jazz e inglês no bairro Dom Bosco

Por O Dia

Ele nasceu como um pontinho. Um pontinho de cultura, em 1996, visando uma melhor qualidade educacional para as crianças. Com o tempo foi se fortalecendo, se ramificou como uma árvore e virou instituição não governamental, em 2008. Mesmo sem ter o tronco tão regado _ faltam investidores_ o Instituto de Educação,Cultura e Ministério Educare (Meduca) tem implantado projetos que buscam a inclusão social das pessoas mais carentes de Nova Iguaçu.

Alunos e professores de cursos oferecidos no bairro Dom Bosco com o coordenador Sadraque Albino%2Cque começou como voluntário no MeducaEstefan Radovicz / Agência O Dia

Hoje, a sua sede fica no bairro Dom Bosco, em Nova Iguaçu, uma das regiões mais desprovidas, além de ser uma área de risco,tomada pelo tráfico. “Desde pequeno ando pela região e identifiquei a carência do local. Cresci, me tornei líder de algumas igrejas da redondeza e buscando ajudar a comunidade, encontrei o Centro Comunitário de Defesa da Cidadania (CCDC), que estava largado. Logo, levei os projetos do Meduca pra lá”, conta o gestor de projetos Sadraque Albino, que acompanhou o nascimento da instituição, ficou como voluntário por três anos e assumiu a gestão em 2011.

O CCDC, que é mantido pelo governo do estado e do município, contava com vários projetos sociais, mas retirou os programas por ser uma área de risco. O governo continuou a oferecer apenas os serviços públicos gratuitos à população. Com a chegada do Meduca, o espaço reviveu e os moradores ganharam uma oportunidade de ter uma vida melhor.

Cerca de 300 pessoas, de várias faixas etárias, participam dos projetos do Meduca. “Aqui em Dom Bosco, atendemos pessoas que vem de Cabuçu até o KM 32”, comenta Sadraque. Atualmente, a instituição oferece aulas de artesanato, corte, costura e modelagem; inglês, jazz, reforço escolar e alfabetização digital. Este último tornou-se possível depois que o Banco do Brasil doou 20 computadores à instituição. Atualmente, os projetos são mantidos com verba própria.

E não para por aí. O Meduca conta com uma parceria pra lá de especial: projeto Faixa Preta de Jesus, que tira os jovens das drogas através do esporte. “Com essa parceria, oferecemos aulas de jiu-jtsu, Box, muay-thai e MMA para os jovens, que são a nossa prioridade, pois queremos tirá-los do tráfico. Acreditamos no esporte como formação profissionalizante”, afirma Sadraque.

Além de Dom Bosco, o Meduca atua na Praça de Vila de Cava, onde oferece aula de ginástica para a terceira idade; e no Parque Alvorada, em Santa Rita.

Costureira foi tirar identidade e agora ensina no local

A professora do curso corte, costura e modelagem Luciete Reis, moradora da comunidade, diz que chegou ao instituto por acaso. “Minha carteira de identidade era muito antiga, aí resolvi vir ao CCDC pra tentar atualizar. Ao chegar, vi um cartaz do projeto Eco Modas - programa da secretaria de estado do Ambiente em parceria com a escola de samba Petizes da Penha que vestiu mil crianças com fantasias feitas de material reciclado no carnaval deste ano- e perguntei a respeito. Sou costureira e agora ensino o que sei para as alunas”, lembra Lucinete, que afirma: “Com o curso, as pessoas têm a oportunidade de ter uma profissão”.

Luciete Reis ensinou corte e costura à neta Anna Luíza%2Cde 12 anosEstefan Radovicz / Agência O Dia

E a costureira ganhou uma companheira fiel. Sua neta, Anna Luiza, de apenas 12 anos, já sabe costurar e a acompanha nas aulas. “No início, eu vinha por curiosidade, mas gostei e venho sempre agora. É legal, pois trabalhamos com retalhos, ao invés de jogar fora a gente utiliza os tecidos”, diz Anna.
As roupas produzidas pelas alunas são vendidas em um brechó realizado no próprio local. E com o dinheiro arrecadado, eles compram mais material para continuar a ensinar.


A reportagem é de Marcelle Abreu 


Últimas de _legado_O Dia na Baixada