Por marcelle.abreu

Quando explodiu a Revolução de 1930, Getúlio Vargas nomeou interventores nos Estados. No Estado do Rio de Janeiro assumiu Professor Plinio Salgado. Em nova Iguaçu, a liderança do movimento revolucionário era do político Manduca Reis (Manoel Reis) e, por seu pedido, o Prof. Sebastião de Arruda Negreiros para o município de Nova Iguassú. Na época pertenciam ao Município os territórios de Japeri, Queimados, Belford Roxo, Nilópolis, São João de Meriti, Duque de Caxias e Mesquita. Juntos tinham uma extensão territorial maior do que o próprio Distrito Federal.

Arruda Negreiros com o presidente da câmara iguaçuanaDivulgação

Arruda Negreiros tomou posse em 19 de dezembro de 1930, prestigiado por todos os segmentos sociais. Ele era considerado um homem de qualidades intelectuais e morais, que representava bem o grande município naquele momento de transição e efervescência política. Époica que marcava o fim das velhas oligarquias que dominavam a política do café com leite. O Brasil deixava de ser uma grande “fazenda” para tornar-se urbano marcando o processo inicial da industrialização, uma proposta vinda do movimento tenentista que apoiou Getúlio.

A Prefeitura tinha sido criada em 1919, completa 11 anos. Os governantes sofriam forte crítica dos jor nais Correia da Lavoura, Correio de Iguaçu, Reacção, A Crítica, 14 de Dezembro, Alvorecer, Correio de Nilópolis, A Garota e outros. O grande número de periódicos demonstrava o nível cultural de sua gente. A administração de Arruda Negreiros deixou um trabalho marcante.

Sua gestão notabilizou-se, principalmente, pela construção de rodovias. Até aquela época o transporte era apenas feitos por carroças, embrejados, pontilhados de atoleiros, dificultando o escoamento da produção. Arruda tinha consciência de que a questão do saneamento teria que ser a marca de sua administração, que demonstra a hercúlea obra de retificação dos rios, dessecamento e aterros dos pântanos.

Criou a Comissão de Saneamento da Baixada Fluminense em 5 de julho de 1933, chefiada a partir de dezembro por Hildebrando de Araújo. Até junho de 1945, o Departamento havia feito à limpeza de mais de seis milhões de quilômetros de rios e movimentado o equivalente a quarenta e cinco milhões de metros cúbicos de terra, além da construção de quatrocentos e duas pontes.

Toda essa grandiosa obra, também fruto do prestígio de Arruda com o Governo Federal, possibilitou a mudança da topografia Baixadense. Numa antevisão, prenunciou a grande explosão demográfica que décadas depois aconteceria em todos os distritos, alguns pelo fato de estar mais próximo do Distrito Federal, outros por facilidades de estradas e rodovias,e outros pela conjuntura nacional.

Você pode gostar