Por marcelle.abreu
Abastecimento d'água Divulgação

A fusão do estado do Rio com a Guanabara ocorreu por meio da Lei complementar 20, de 1º. de julho 1974. O presidente era o general Ernesto Geisel e o fato se concretizou em 15 de março de 1975. A partir daí desapareceu o estado da Guanabara e surgiu o estado do Rio de Janeiro. Geisel indicou para governador da fusão o militar da Marinha Floriano Peixoto de Faria Lima, que governou de 5 março 1975 a 5 de março de 1979. Em 1º de agosto de 1975 foi criada a Companhia de Águas e Esgotos (Cedae). Esta, por sua vez, veio da fusão da Empresa de Águas do Estado da Guanabara (Cedag) e da Empresa de Saneamento da Guanabara (Esag) e da Companhia de Saneamento do Estado do Rio de Janeiro (Sanerj).
A Cedae nasceu com a função de resolver o problema de abastecimento de água e as questões de saneamento de todo o estado. Para isso, mantiveram o monopólio da captação, tratamento e distribuição da água entre os 92 municípios do Estado. Os municípios que integram o Grande Rio são servidos pela mesma água, que é captada nos mananciais da Serra do Mar e que vão formar a bacia hidrográfica do Rio Guandu com o Rio Paraíba do Sul e as represas de Furnas. Ainda está sob sua responsabilidade o destino final do esgoto gerado nos municípios conveniados ao estado do Rio.

O governo estadual tem investido ao longo dos anos na Cedae, no que tange à distribuição da água. Mas divide com o governo federal e municípios a responsabilidade do financiamento do esgotamento sanitário e seu destino, assim como a coleta e o tratamento do lixo. Tarefa que deixa muito a desejar, basta andar pelos municípios da Baixada e ver como ruas, praças, vielas, terrenos baldios estão empilhados de lixo e com esgotos correndo a céu aberto. Se grandes obras de saneamento são divulgadas pela companhia, elas devem estar nos emissários submarinos, nas estações de tratamento localizados no Rio de Janeiro e nas lagoas que ficam em áreas nobres e de população com alta concentração de renda.

O morador do Grande Rio desconhece uma estação de tratamento de esgoto, tudo é despejado in natura nos rios Pavuna-Meriti, Sarapuí-Iguaçu, Inhomirim-Estrela, Macacu e Guaxindiba, na bacia que compõe cada um destes rios, todos desaguando na Baía da Guanabara. Em seu histórico, a Cedae afirma que “A pré-operação do sistema de tratamento secundário de esgoto da Estação Alegria no bairro do Caju já reduz em 98% as impurezas dos esgotos que chegam à Baía de Guanabara ... que hoje já atinge 60% do Rio de Janeiro”. E a Baixada como fica? Já que seus rios continuam levando todos os tipos de impurezas para a Baía.


Você pode gostar