Um Pouco de História: memória do bairro Vila União IV

Local de muitas memórias, marcadas por saudosismos, amizades e solidariedade

Por O Dia

A Vila União é um local de muitas memórias, marcadas por saudosismos, amizades e solidariedade e um conjunto de atividades que muito bem remete à vida rural nas origens do povo e por outro lado o alvorecer da vida citadina com os aglomerados urbanos. No depoimento do morador Armando Frazão, de 78 anos, que chegou à localidade em 1950, descobrimos que ainda viu embarcações no Rio Meriti. Ele conta que pescava camarão. Os terrenos que margeavam era de brejo e pântano. Nos dias de grandes chuvas e temporais, o leito do Rio Meriti não suportava e suas águas transbordavam, provocando inundações em todo o bairro.

Moradora antiga do bairro%2C Célia viu muita história acontecer Divulgação

Outro ilustre morador foi o Sr. Silvestre Sobral, à época da entrevista com 86 anos. Nasceu na Vila e seu pai, Sebastião Sobral, e sua mãe Maria Sobral, vieram da cidade de Seixas, na região da Beira Alta, em Portugal. Estavam aqui para visitar uma família da mesma localidade e seu pai resolveu ficar. A família Sobral multiplicou-se chegando a 11 filhos. Silvestre nasceu dentro da casa onde residiu até a morte. Esta casa era no passado o armazém pertencente aos antigos “calidinha” e já estava em ruínas.No local onde fica o armazém foram encontradas balanças grandes de ferro e havia também uma fábrica de cachimbos de barro.

Estas terras faziam parte da fazenda de dona Ana Lima, que foi dividida, e os lotes vendidos como chácaras. Por volta de 1927/28 foi criada a Associação Beneficente de Portugal Pequeno e o Grêmio Recreativo de São Mateus. O primeiro clube de futebol foi o Armando F.C.,do Marcondes F.C. surgiu depois o Lusitano F.C., que possuía uma sede e promovia festas.

Em 1945 criou-se a União Progressista de São Mateus e em 1957 mudou-se o nome de Portugal Pequeno oficialmente para Vila União, com lei Municipal de 1963.Os lusitanos chamavam o local de Índia, devido à grande quantidade de centros de umbanda e candomblé. Não havia luz e, à noite, só se ouvia a batucada de tambores dos centros.

A União Progressista foi a grande responsável pelas melhorias naquele tempo. Vários filhos da família Sobral trabalhavam na Light e conseguiram trazer a luz desde Tomazinho. A Vila teve dois centros beneficentes: Rancho Recreativo Portugal Pequeno que desfilava em Meriti. E seis campos de futebol: Marcondes F.C.; Lusitano F.C.; Portugal Pequeno F.C.; União FC; Índia F.C.; 07 de Setembro F.C. Com a abertura política na década de 1980, a Vila União fundou uma Associação de Moradores para exigir das administrações municipal e estadual solucão para os inumeráveis problemas. Rendo minhas homenagens à Sra Elza e ao Sr Silvestre (já falecidos) e à Sra Celia, pelas informações e prestadas.

Últimas de _legado_O Dia na Baixada