Um Pouco de História: Olinda, bairro com status de cidade

Região se destacou economicamente e socialmente

Por O Dia

Poucos são os bairros mais periféricos, dos treze municípios que formam a Baixada da Guanabara, que tiveram um desenvolvimento social e econômico acentuado em relação aos demais bairros da região. Historicamente tem sido a lógica da ocupação e desenvolvimento das cidades. O 2º Distrito com sede em Olinda fugiu a esta regra. Aqui se criou demandas com respostas vindas da própria comunidade.

A Estação de Olinda nasce da luta dos moradores do 2º Distrito para ter um transporte próprio que os levasse ao centro do Rio de Janeiro e ao Centro de Nilópolis com maior conforto e rapidez, já que o transporte urbano era praticamente inexistente. No mesmo lugar onde a Estação se encontra hoje, havia um ponto de parada para embarque e uma casinha construída bem próximo à margem da ferrovia onde se vendiam os bilhetes, isto por volta de 1930. Nesta época foi construída uma ponte sobre a linha férrea ligando a Av. Getúlio de Moura (antiga Rua Lazaro de Almeida) e a Av. Roberto Silveira (antiga Rua Francisca de Almeida). Esta ponte tinha apenas a função de evitar acidentes, já que as margens eram desprovidas de cercas ou muros de proteção.

Na Rua Salgado Filho, na quadra próxima da parada do trem, onde hoje está a sede do Cartório do 2º Ofício, ficava a Subdelegacia 44. Era um destacamento militar com um subdelegado, que normalmente era nomeado por apadrinhamento político sem formação militar. Neste mesmo espaço ficava o Cine São Jorge, que era de propriedade do Sr. José Anibal Jardim.

Outro ícone é a Igreja de São Sebastião, projetada pelo arquiteto italiano Contardo Bonicelli e inaugurada em 1959. São Sebastião é o Padroeiro de Olinda, com feriado em 20 de janeiro e respeitado pela população. Já a Padroeira da cidade é N.S. da Conceição, em 8 de dezembro, data que se comemora o dia da santa, é feriado municipal.

Hoje, o comércio de Olinda é bastante diversificado. Na Av. Roberto Silveira, próximo da Estação, estão as lojas que fabricam e distribuem sorvetes e picolés para centenas de vendedores ambulantes que se espalham pelas praias do Rio de Janeiro, usando o transporte do trem e metrô. Também no mesmo local vamos encontrar um polo de autopeças e oficinas para carros.

O Fórum da Comarca está na Av. Getúlio Vargas, onde na época funcionava o tradicional Ideal Esporte Clube. Ao lado localiza-se um supermercado, a Justiça do Trabalho, a Biblioteca Municipal e a Secretaria de Ordem Pública, onde na época funcionava uma fábrica de fogos, que explodiu em 1997. 

Na área cultural destacamos hoje o Galpão 252. Nos serviços comunitários destacam-se o Lions Clube e o Centro Espírita Leopoldo Machado.

Últimas de _legado_O Dia na Baixada