Por helio.almeida
O agricultor José Calado sustenta a família com a plantação de bananaFábio Gonçalves

Rio - A dificuldade de anos atrás ainda está na memória do agricultor José Calado, 44 anos, que tira da plantação de banana, em Magé, a renda familiar. “Era difícil. Só não desisti porque isto é minha vida”, lembra enquanto caminha pelo bananal, que produz dez espécies de banana.

Hoje, entretanto, "está melhor", garante. É que José e outros produtores contam, agora, com incentivos da prefeitura para a produção no município. O aluguel subsidiado de tratores é um deles. A criação de feiras locais, a construção de um galpão para armazenamento e obras nas vias de escoamento da produção completam o pacote de políticas públicas da cidade. “A região tem vocação, tem terra e clima”, garante o secretário de Agricultura de Magé, Aloísio Sturm, um engenheiro agrônomo de 70 anos. “Durante os anos de 1920 e 1930, Magé era o maior produtor de banana do país. Queremos retomar o título", anima-se.

O secretário diz estar certo de que o trabalho dará resultado. “Nosso objetivo é fomentar a produção de quem quer trabalhar”, afirma.

Além dos incentivos municipais, o governo do estado, em parceria com o BNDES, entregou a 200 famílias, no final de dezembro, maquinário completo para a produção dos frutos.

“Minhas expectativas para as próximas safras são as melhores possíveis. A gente nunca recebeu equipamentos antes”, contenta-se Cezar da Silveira Ferreira, 48, presidente da Associação de Pequenos Produtores do assentamento Fazenda Santa Rosa. “Vamos trabalhar pensando no abastecimento para os eventos de grande porte como a copa e as olimpíadas”, anima-se.

Você pode gostar