Arco Metropolitano estimula criação de empresas em oito municípios

Itaguaí sai na frente e já se beneficia das obras, mas tem muitos desafios a enfrentar

Por O Dia

Rio - Projetado inicialmente em 1968, o Arco Metropolitano (RJ-109), que ligará Itaguaí a Itaboraí, tem hoje 95% das obras concluídas. O prazo para a inauguração foi novamente prorrogado pelo governo estadual: de maio para o fim deste primeiro semestre. Mas a importância da estrada para a economia do Estado do Rio de Janeiro já é percebida antes mesmo da abertura das pistas. Segundo estudos da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico, Energia, Indústria e Serviços (Sedeis), há investimentos de R$ 60 bilhões por parte de empresas que construíram ou ampliaram seus empreendimentos ao longo do Arco, gerando 40 mil empregos.

O interesse das grandes companhias em se estabelecer na região ocorre também por conta da conexão que a RJ-109 proporcionará, entre o Complexo Petroquímico do Estado do Rio de Janeiro (Comperj), em Itaboraí, e o Porto de Itaguaí, que, além da já intensa movimentação devido à exportação de minério, vive a expectativa de captar mais recursos com novos empreendimentos da Petrobras e da Marinha.


Para o governo do estado%2C as obras da RJ 109 vão transformar o Rio na principal plataforma logística da Região SudesteJoão Luiz dos Anjos/Divulgação

Um dos mais beneficiados pela nova rodovia, Itaguaí, com cerca de 100 mil habitantes, vive um rápido crescimento populacional e econômico. O Imposto Sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) e o Imposto Sobre Serviços (ISS) causavam prejuízos mensais de R$ 4,5 milhões aos cofres municipais. Agora, a receita chega a R$ 2,5 milhões por mês.

Oportunidades de emprego atraem jovens de todo o país, e até currículos do Haiti já foram selecionados no Centro de Oportunidades da Prefeitura de Itaguaí. O órgão municipal funciona como uma espécie de Recursos Humanos público e faz a ponte entre candidatos e as empresas estabelecidas na cidade. Somente em 2013, foram criados 900 postos de trabalho.

O grau de escolaridade da população de Itaguaí, no entanto, ainda não atingiu os níveis esperados, o que faz com que a maiora dos moradores não consiga empregos com qualificação específica. As ofertas mais aproveitadas são as de auxiliar de obras. “Estamos fazendo parcerias com instituições sérias. Temos cursos totalmente gratuitos ministrados pelo Senai, Cefet e Eterj. Estamos planejando uma Itaguaí para um futuro a longo prazo”, disse o prefeito Luciano Mota (PSDB).

Desafios pela frente%3A mais jovem prefeito do estado%2C Luciano Mota encomendou um estudo à FGV sobre os impactos de longo prazo na cidadeDaniel Castelo Branco / Agência O Dia

Carlos Eduardo da Silva, de 24 anos, trabalhou como operário nas obras do Porto Sudeste e agora estuda para fazer o curso de Eletrotécnica, do Senai. “Acabei de fazer a inscrição. A prova para o curso é na semana que vem. Estou estudando muito para isso. Se passar na Eletrotécnica posso brigar por vagas que podem me dar um salário melhor”, diz o jovem, que pretende trabalhar na construção de cinco submarinos da Marinha, um investimento de R$ 8 bilhões.

O Arco foi projetado em quatro lotes e, em cada um deles, ainda falta a conclusão de alguma obra. Uma greve de operários no lote 1 e desapropriações que ainda precisam ser feitas no trecho de conexão com a BR-101 são os principais entraves para a entrega da RJ-109 até o fim de junho.

Impactos já preocupam

“Não podemos pensar nos próximos cinco ou dez anos. Temos que pensar nos próximos 50. O período que Itaguaí vive atualmente é determinante.Temos uma zona portuária a pleno vapor e temos que aproveitar isso”. A afirmação é do mais jovem prefeito do estado. Com 30 anos e em seu primeiro mandato, Luciano Mota sabe das oportunidades que surgirão com o Arco Metropolitano. Mas são os impactos provocados pela RJ-109 que desafiam a gestão de Mota.

Moradores já reclamam do aumento da violência e demonstram preocupação no que diz respeito à mobilidade urbana. Para preparar a cidade para os desafios do crescimento populacional, Mota encomendou à Fundação Getúlio Vargas (FGV) um estudo para investimentos de longo prazo.

Firjan aposta em mais empresas de logística

Júlia Nicolau Butter, especialista em Competitividade Industrial e Investimentos da Firjan, diz que o Arco Metropolitano abre uma série de oportunidades para empresas nacionais e internacionais. “Abrir uma fábrica ou um negócio próximo do Arco significa estar perto do mercado consumidor crescente no estado e dos acessos a Minas Gerais (pela BR-040) e São Paulo (BR-116)”, afirma ela, que aposta no crescimento de empresas do segmento de logística e transportes. Juntos, os três estados são responsáveis por 50% do PIB do Brasil.


Secretário Marcos Praxedes recebe Cosme%2C um dos candidatos á vagaDaniel Castelo Branco

“Os portos de Itaguaí exportam para diversos países. Estamos mandando mercadoria inclusive para a China”, comemora o secretário de Desenvolvimento Econômico, Marcos Praxedes.

Restaurante vê sua clientela aumentar

Desde 2012, o restaurante japonês Taki, de Simone Montoya, de 37 anos, viu sua clientela aumentar. “Hoje veio aqui um grupo de engenheiros belgas, japoneses e venezuelanos. Trabalho há nove anos com comércio, e antigamente os clientes eram sempre os mesmos”, afirma Simone, que comemora o aumento nas vendas, mas demonstra preocupação com a violência em Itaguaí.

Em dois anos%2C o número de fregueses%2C muitos estrangeiros%2C aumentou no restaurante japonês de SimoneDaniel Castelo Branco

O Centro de Oportunidades da prefeitura registra hoje 45.380 currículos cadastrados. Entre os candidatos há pessoas vindas do Ceará e do Piauí, no Nordeste, e até do Haiti. Cosme Lopes de Freitas, 30, era um dos que buscavam oportunidade na área administrativa quinta-feira. Apenas 4% dos cadastrados possuem Ensino Superior completo. “O nosso grande desafio é qualificar a população de Itaguaí para ocupar boas vagas de emprego”, diz Adriana Azeredo, diretora do Centro.

Últimas de _legado_O Dia no Estado