Por thiago.antunes

Rio - Cerca de 100 profissionais da rede municipal de educação de São João de Meriti protestaram nesta terça-feira em frente à prefeitura, pedindo audiência com o prefeito Sandro Matos (PDT), que não os recebeu. Houve paralisação de 24h e, segundo o Sepe, sindicato da categoria, a adesão foi de 75% dos 1.800 servidores. Há cinco pontos de reivindicação. Um deles é o reajuste de 20%.

“Há seis meses tentamos em vão negociar. Ninguém nos recebe, não há diálogo”, reclama Marcos Antônio da Silva, diretor do Sepe. Outra reclamação é o baixo valor do auxílio-transporte, que é de R$ 50 por mês. “Dá para exatos cinco dias de trabalho”, protesta a professora Marta Mares. Segundo ela, o valor é o mesmo desde 2008. Uma nova paralisação está marcada para quarta-feira.“Se não houver acordo, podemos parar”, ameaça a professora.

Sem diálogo%3A professores paralisaram as atividades por 24 horasDivulgação

Meriti paga inicialmente ao professor com Ensino Médio R$ 1.005, para 20 horas semanais, e R$ 1.190, com nível superior e 16 horas. Procurado pelo DIA, o prefeito não atendeu às ligações. A assessoria também não o localizou.

Até às 19h, a prefeitura não havia pagado o salário referente a abril dos 100 guardas municipais. “Há quase um ano não podemos contar com o nosso dinheiro no dia certo”, reclama uma guarda. Segundo os servidores, o 13º do ano passado só foi pago no dia 10 de janeiro. Após O DIA tentar contato com o prefeito na tarde desta terça, o salário dos guardas municipais foi depositado às 19h na conta, segundo confirmou um dos servidores.

Você pode gostar