Por vinicius.amparo

Rio - A distribuição de água em Volta Redonda está funcionando com 60% da capacidade, por conta da instalação de três bombas reservas para captação de água potável. O fornecimento foi interrompido por cerca de 19h após o rompimento da junta de expansão de uma das quatro bombas necessárias para que o fornecimento de água na cidade alcance 100%. O fato gerou a inundação do subsolo das bombas, que precisaram ser desligadas imediatamente. O local foi preenchido com cerca de 600 mil litros de água, que chegaram a quase quatro metros de altura

De acordo com o diretor presidente do Saae-VR (Serviço Autônomo de Água e Esgoto de Volta Redonda), Paulo César de Souza, o PC, os procedimentos seguintes incluíram drenagem da água, retirada das bombas – duas estão na CSN (Companhia Siderúrgica Nacional), que têm sistema de reparo com estufa; e duas para a empresa Netuno, de Barra Mansa, especializada em recuperação de equipamentos elétricos.

“A expectativa é de que um dos equipamentos que está na CSN seja devolvido ao Saae-VR até o final da tarde desta terça-feira (dia 28) e, com a instalação desta bomba, a ETA (Estação de Tratamento de Água) Belmonte volta a operar com distribuição a 100%”, afirmou PC, acrescentando que isso garante o abastecimento de toda cidade, incluindo os bairros mais altos, como o Laranjal e o Morro da Caviana. “Tudo deve estar normalizado na noite desta quarta-feira (dia 29)”, disse, durante a tarde, por meio de nota oficial transmitida pela prefeitura.

Em entrevista no final da tarde ao DIA, PC afirmou que o quadro era de otimismo em relação ao visto na véspera. “O acidente foi sério, mas conseguimos resolver com rapidez. A equipe da autarquia trabalhou durante toda a noite e às cinco da manhã as bombas já foram encaminhadas para o conserto”, afirmou.

Ele completou ainda que contou com o apoio da CSN, por meio do diretor executivo da empresa, Enéias Garcia Diniz, e dos engenheiros André Barroso e Stocco, além das empresas Flumisserra e ACS Elétrica. Além disso, afirmou que a comunicação também foi importante.

“Informamos imediatamente o problema aos hospitais, ao Corpo de Bombeiros e algumas empresas que consomem grande quantidade de água”, lembrou PC. Segundo ele, a equipe técnica do Saae-VR fará uma avaliação material no equipamento que apresentou o problema para conhecer a causa do acidente. “Talvez seja preciso chamar uma empresa fabricante para fazer a análise”, disse Paulo César.

Consumo consciente

Diante do acidente, PC também aproveitou para lembrar que os moradores devem evitar o desperdício de água. “Cerca de 25% do que chega nas casas é perdido pelo mau uso. Além disso, a população precisa investir em depósitos adequados: nós paramos o fornecimento às 17h de terça e às 6h de quarta já havia falta d’água em alguns estabelecimentos”, disse PC.

Ele exemplificou: um restaurante que atende a cerca de mil pessoas deve calcular o gasto diário e investir em caixas d’água para garantir pelo menos três dias de frente. "A interrupção no fornecimento pode acontecer por acidentes e também por causas naturais, precisamos estar um pouco resguardados”, alertou.

Você pode gostar