Depois da longa estiagem, vêm aí os fortes temporais

Meteorologistas alertam para tempestades neste fim de semana no estado. Cidades que sofreram com tragédias das chuvas já se preparam para o verão

Por O Dia

Rio -E depois da longa estiagem, vêm as tempestades. Meteorologistas alertam que todo o Estado do Rio vai receber pancadas de chuvas até o final de semana. Motivada por uma frente fria, a chegada das águas anima principalmente agricultores e pecuaristas, que sofrem com a seca nos últimos cinco meses, mas não elimina o problema.

No Norte e Noroeste Fluminense, regiões mais castigadas, a previsão é de chuvas com menor intensidade, insuficientes para reverter os níveis históricos alcançados pela baixa do Rio Paraíba do Sul e seus afluentes. Já na Região Serrana, que ainda vive o trauma da catástrofe de 2011, a expectativa é de chuvas mais fortes, mas ainda longe do que pode se esperar para o verão. Mesmo assim, os municípios garantem estar preparados para enfrentar estragos causados pela força das águas.

Quatro das 14 grandes obras de contenção de encostas%2C previstas no PAC do governo federal%2C deverão ser entregues até o fim do ano em PetrópolisDivulgação

“No sábado, o alerta é para o risco de temporal em todo o estado. No domingo o dia fica nublado com chuva. Mas no Norte e Noroeste deve chover menos porque é mais difícil a formação de nuvens já que o clima é mais seco”, diz a meteorologista Bianca Lobo, do Climatempo. “De sábado para domingo é a pior fase desse final de semana, a intensidade das chuvas é de moderada a forte. A Região Serrana deve ficar em alerta. Com a chuva, o risco de deslizamentos é maior”, diz Almerindo Marinho, do Inmet (Instituto Nacional de Meteorologia).

Segundo Marinho, as chuvas previstas para os próximos dias no Norte Fluminense vão minimizar o problema da seca, mas não serão suficientes para acabar com o problema. “Para isso, teria de chover diversos dias seguidos”, afirma o meteorologista. Além disso, segundo ele, algumas regiões do estado, principalmente a Região Serrana, terão fortes chuvas neste final de semana, aumentando a atenção para riscos.

As chuvas fortes que caíram ontem à tarde deixaram os municípios de Teresópolis, Nova Friburgo e Bom Jardim em estágio de alerta pelo Sistema de Alerta de Chuvas do Inea (Instituto Estadual do Ambiente). O secretário municipal de Defesa Civil de Teresópolis, coronel Roberto Silva, percorreu pontos mais críticos da cidade. “Houve queda de árvores e de barreiras nos bairros Pimentel e Rosário. Ninguém ficou ferido. Foi emitido um alerta à população”, disse.

Rios de Teresópolis são limpos para prevenir enchentes e alagamentos na temporada de fortes chuvas. Mata ciliar também é recompostaDivulgação

O estado diz estar mais preparado para o período de chuvas. “A cada ano estamos mais capacitados para lidar com as situações imprevisíveis da meteorologia e das condições ambientais”, afirmou o secretário de Estado de Defesa Civil, coronel Sérgio Simões. Ele lembrou que o governo instituiu um plano de redução de riscos e desastres adaptado aos modelos internacionais. “Nosso grande esforço é sistematizar uma ação de todas as estruturas de governo: federal, estadual e municipal. Precisamos trabalhar sempre com a preparação para evitar tragédias.”

Japoneses e americanos ensinam prevenção na Serra

A Região Serrana vem aprendendo a lição com japoneses e americanos. Um convênio iniciado no fim de 2013 com a Agência de Cooperação Internacional do Japão (Jica) prevê o fortalecimento da cultura de prevenção em Petrópolis e Nova Friburgo, bem como o compartilhamento de experiências e tecnologias de monitoramento, prevenção e alerta. Ao fim da parceria de quatro anos serão produzidos manuais sobre sistema de alerta e alarme, planejamento urbano e mapeamento de risco.

Já a Agência de Assistência a Desastre do Exterior dos Estados Unidos da América (Usaid/Ofda) ministra cursos sobre planejamento e gestão de riscos para os agentes da Defesa Civil de Petrópolis. Quarenta voluntários dos Núcleos Comunitários de Defesa Civil (Nudecs) e agentes de saúde, de endemias e das Unidades de Proteção Comunitária (UPCs) foram capacitados em outubro em um curso gratuito de primeiros socorros, preparado pelo governo dos Estados Unidos.

Técnicos do Japão visitam a Serra para conhecer riscos e propor novos protocolos de segurança. Representantes da região também foram ao paísDivulgação

O estado lançou um Mapa de Ameaças Naturais, premiado pela Organização das Nações Unidas (ONU) como um dos melhores estudos do gênero nas Américas. “O mapeamento de áreas de riscos geológicos nos possibilitou expandir o sistema de alerta e alarme por sirenes”, disse Coronel Simões.

Petrópolis investe em contenções

Em parceria com o governo federal, o município de Petrópolis vem investindo em 14 grandes obras de contenção preventivas pelo PAC das Encostas em áreas de risco. Quatro já foram iniciadas e deverão ser concluídas ainda neste ano no Vale do Carangola, Rua Nova, Rua Casemiro de Abreu a Rua Alexandre Fleming. Ao todo, serão investidos R$ 60 milhões nas intervenções.

A prefeitura também contratou em 2013 empresa para demolir um total de 1.840 metros quadrados de imóveis que ofereçam riscos elevados para moradores e vizinhos. Ao todo, 42 imóveis já foram demolidos. A prefeitura informou que trabalha para a construção de cerca de 2,5 mil unidades habitacionais em oito bairros.

Na seca, hora de limpar os rios e córregos

Cidades da Serra aproveitaram o período sem chuvas para realizar a limpeza de rios e córregos. No fim de outubro, Petrópolis iniciou o programa Limpa Rio, em parceria com o Inea (Instituto Estadual do Ambiente), que vai durar dois meses. Em Teresópolis, além das intervenções de desassoreamento e limpeza das margens, foi feito o reflorestamento da mata ciliar para proteger os rios.

Os municípios da região também investem pesado em planejamento, definindo medidas a ser tomadas em caso de desastres naturais, como enchentes, enxurradas e deslizamentos de terra. Em Nova Friburgo, foi criado um Plano de Contingência que abrange mais de mil representantes do poder público, concessionárias e empresas.

A prefeitura investiu em capacitação de pessoal, aquisição de material, maquinário e viaturas para auxiliar em emergências. Além do Plano de Contingência, Petrópolis contará, já no verão, com o Protocolo Operacional da Secretaria de Proteção e Defesa Civil. Já Teresópolis criou um Plano de Controle de Proteção e Defesa Civil.

Colaborou Vinicius Amparo

Últimas de _legado_O Dia no Estado