Por bianca.lobianco

Rio - O desenvolvimento de polos industriais no interior do estado está alavancando outra indústria poderosa: a do turismo de negócios. Crescem a cada ano os investimentos em cidades estratégicas para a economia do Rio, que vêm despertando o interesse de grandes cadeias de hotéis. Pelo menos 25 novos empreendimentos do setor estão sendo construídos por três grandes redes, segundo levantamento feito pelo DIA junto a algumas das principais empresas.

“Em cidades do interior, como Itaguaí, Itaboraí e Macaé, tem havido uma explosão da hotelaria, por conta dos polos de desenvolvimento”, disse o presidente da Associação Brasileira da Indústria de Hotéis (ABIH-RJ), Alfredo Lopes. Outro destino que se destaca no crescimento da rede hoteleira é Penedo, em Itatiaia, por conta do polo metal-mecânico e automotivo. “Antes Penedo só tinha reservas nos fins de semana, mas por causa da Volkswagen e da Peugeot-Citroën, tem reservas a semana toda. O turismo de negócios aquece os hotéis do interior o ano inteiro”, diz. Somente a ABIH-RJ possui hoje 106 hotéis cadastrados no interior, com 4.493 quartos.

Em Cabo Frio%2C Travell In abriu as portas em outubro. Outros oito estão em construção. Atendimento ao mercado de petróleo é prioridadeDivulgação

O Hotel Ibis, da Rede Accor, é uma das marcas que se expandem pelo interior. “Estamos construindo 12 empreendimentos no estado. Niterói, Barra Mansa, Volta Redonda, Três Rios, Petrópolis, Macaé, Itaguaí e Angra dos Reis receberão um hotel cada. Já Duque de Caxias e Resende terão mais dois cada uma”, contou o diretor adjunto de Desenvolvimento de Novos Negócios da Accor Brasil, Eduardo Camargo. O investimento total é de R$ 1,46 bilhão. Serão 1.914 quartos, e todos estarão prontos até 2017. Alguns hotéis, como o de Barra Mansa, têm previsão de conclusão no início de 2016.

Camargo explicou como a rede escolhe o local onde construir um hotel. “Fazemos um estudo bem detalhado para ver viabilidade do local, principalmente para o turismo de negócios, já que sabemos que cerca de 70% das viagens hoje em dia são com esse objetivo. Qualquer cidade acima de 80 mil habitantes demanda bons hotéis”, disse. Segundo o executivo, a empresa analisa o poder aquisitivo das pessoas que moram no local e quem visita ou faz negócios no município para montar o perfil do hotel a ser instalado.

“O Hotel Mercure, que é de categoria superior, por exemplo, já funciona em Macaé, onde o poder aquisitivo é maior devido ao dinheiro das empresas ligadas ao petróleo. Já Volta Redonda e Barra Mansa vão comportar dois hotéis, um econômico e outro supereconômico, respectivamente”, contou.

Rede abrirá oito hotéis e estuda abertura de outros

A BHG está abrindo oito novos hotéis no estado: dois em Campos dos Goytacazes e os demais em Itaboraí, Itaguaí, Meriti, Volta Redonda, Niterói e Rio (capital). Segundo o diretor de Novos Negócios da BHG, Felipe Gomes, a empresa acredita no potencial de crescimento do estado, tanto na capital quanto no interior. “Visamos a suprir a carência de hotéis de qualidade e padrão internacional. Todos serão voltados para o turismo de negócios. A empresa avalia outras oportunidades no estado”, afirmou.

Os dois hotéis de Campos, o de Itaguaí e de Itaboraí estão previstos para começar a funcionar no primeiro semestre do ano que vem. No total, serão 1.592 apartamentos.

De olho nos investidores que querem apostar no turismo de negócios, o secretário estadual de Turismo, Claudio Magnavita, quer fazer um estudo de desenvolvimento para o setor. “Vamos construir um atlas que atraia mais redes hoteleiras. Vemos potencial principalmente na Região dos Lagos”, explicou.

Você pode gostar