Por nicolas.satriano
Ato cerca Prefeitura de PetrópolisReprodução

Rio - Um grupo de 50 manifestantes — ou dez, na conta da prefeitura — passou 24 horas acampado em frente à sede do poder executivo de Petrópolis, na Região Serrana. O grupo Frente de Luta pelo Transporte Público Petrópolis protestava contra o aumento da passagem municipal (de R$ 2,80 para R$ 3,20) e pedindo o fim da dupla função de motorista-cobrador e uma tarifa social de R$ 1 a R$ 1,50 nos finais de semana.

Segundo um dos líderes do grupo, que não quis se identificar, eles foram para o local na terça-feira à tarde e tiveram a permanência liberada no início, mas logo depois alguns seguranças da prefeitura quiseram agir de forma mais agressiva para expulsá-los. “Eles só podiam nos tirar com ação liminar e pedido de reintegração de posse, por isso tiveram de deixar a gente ficar. Após recebermos do procurador do município dizendo que o prefeito Rubens Bomtempo iria nos receber para uma audiência na segunda-feira (2), ficamos satisfeitos e liberamos o local. Só queremos ser atendidos e reivindicar oficialmente”, disse.

Em nota, a prefeitura culpou o PT pelo ato, informou que respeita o direito às manifestações e que o reajuste da tarifa foi necessário em diversos municípios. “Em Petrópolis, (o reajuste) encontra respaldo em decisão judicial, que entendeu que o Conselho Municipal de Transportes (Comutran) analisou as planilhas e concluiu que o reajuste era necessário para a manutenção do sistema de transporte coletivo da cidade”.
Publicidade
Reportagem de Vinícius Amparo
Você pode gostar