Para espantar crise, cidades do interior promovem folia até dentro d'água

Da Costa Verde ao litoral Norte, passando pela Serra, as opções de entretenimento serão várias no Carnaval

Por O Dia

Rio - Que crise, que nada. Enquanto algumas cidades da Região dos Lagos e do Norte Fluminense economizam nas festas de Carnaval para enfrentar a queda na arrecadação, como o DIA mostrou nesta quinta-feira, outros municípios do interior continuam a investir pesado nos eventos e trazem algumas novidades.

Maricá, na Região Metropolitana, traz diversos famosos, como Fundo de Quintal, Neguinho da Beija-Flor, Sargento Pimenta e Trio Ternura. Serão nove palcos com shows gratuitos em vários pontos.

Em Mangaratiba%2C novidade é um trio elétrico flutuante para animar o Carnamar%2C tradicional desfile de barcosDivulgação

Já na Costa Verde, onde a média da ocupação hoteleiras já ultrapassa 95%, a folia fica por conta de bandas e artistas locais, mas a ideia é inovar. Angra dos Reis, por exemplo, contará com o Carna Rock, à noite, na Praia da Chácara, e o palco Sunset nas praias Grande, Vila Histórica e Brava, com DJs tocando música eletrônica a partir das 15h.

Paraty lançou a campanha ‘Carnaval sem Carro’ para incentivar os turistas a evitar o uso de automóveis durante a folia no centro histórico, que sofre com a carência de áreas de estacionamento. Em tempos de crise hídrica, também serão distribuídos folders, alertando sobre a necessidade de economizar água.

Em Mangaratiba a novidade será uma balsa com som de ritmos variados para animar o Carnamar, tradicional concurso de embarcações. O trio elétrico flutuante acompanhará os barcos desde a Praia Grande, na Ilha de Itacuruçá, passando pelas ilhas do Batuque e Jardins, até Muriqui. O bloco náutico sairá no domingo.

Quem decidir subir a Serra em busca de paz e tranquilidade vai esbarrar em muita animação pelas ruas. O clima bucólico da região será mesclado com programação intensa nas cidades de Petrópolis, Teresópolis e Nova Friburgo, com desfile de blocos e escolas de samba e bailes populares e gratuitos no Centro e distritos a partir desta sexta-feira.

Na Região dos Lagos, alheia à crise que assola os vizinhos, Armação dos Búzios promoverá shows com trio elétrico e os tradicionais desfiles de sete blocos de rua nos bairros da Rasa, Tucuns, Manguinhos e Centro. A expectativa é receber 200 mil turistas.

Já em Volta Redonda, no Sul Fluminense, pela primeira vez, o Carnaval foi antecipado e aconteceu no fim de semana passado, com direito a desfile de blocos e escolas de samba. A justificativa da prefeitura foi de que poucas pessoas ficam na cidade para as festas e preferem aproveitar o feriado prolongado para viajar com a família.

Crise para uns, festa para outros

A exemplo de outras cidades, Itaboraí, que sofre com a desaceleração do Comperj, enxugou os gastos com o Carnaval. A festa oficial acontecerá no Centro e em três distritos — em 2014, outros cinco distritos receberam a programação. A festa deve atrar 15 mil pessoas por noite, contra as 40 mil, em média, no ano passado. Artistas convidados foram substituídos por “pratas da casa”.

Já em Itaguaí, apesar da crise financeira, das greves de servidores e das denúncias de desvio de verba contra o prefeito Luciano Mota (PSDB), promete um grande Carnaval, mesmo com os protestos. A folia acontecerá nos bairros do Centro, Coroa Grande, Ilha da Madeira, Chaperó, Mazomba e Teixeira, com shows de bandas locais e som mecânico com DJ’s.

Terra do Porto do Açu, ex-império do agora falido Eike Batista, São João da Barra, no Norte Fluminense, foi outra que investiu pesado no Carnaval, apesar da queda dos royalties — responsáveis por mais de 60% de seu orçamento. A expectativa é de que 40 mil pessoas por dia participem da festa, de hoje até terça-feira. 

Últimas de _legado_O Dia no Estado