Câmara rejeita denúncia contra prefeito de Teresópolis

Já a criação de uma CPI para apurar evolução patrimonial foi adiada por cinco dias. Pedido de prorrogação foi do vereador Cláudio Mello, que solicitou vista do processo

Por O Dia

Rio - A Câmara de Vereadores de Teresópolis, na Região Serrana, rejeitou nesta quinta-feira (19), o pedido de uma Comissão Processante para apurar denúncias de evolução patrimonial incompatível com os rendimentos contra o prefeito do município, Arlei Rosa (PMDB). Houve empate de seis votos para cada lado. Seriam necessários 8 votos para que a abertura da comissão ocorresse. Em relação à criação de uma CPI para apurar a evolução patrimonial incompatível, já denunciada pelo Ministério Público (MP), a votação foi adiada por cinco dias. O pedido de prorrogação foi do vereador Cláudio Mello, que solicitou vista do processo.

Segundo a denúncia recebida pelo MP, o prefeito seria o dono de um haras em Sapucaia, na Região do Médio Paraíba, com um mini-zoológico particular, animais exóticos, e um haras com cavalos de raça que são vendidos em leilões por cerca de R$ 100 mil cada. A denúncia afirma ainda que a propriedade foi comprada por R$ 1,5 milhão e, hoje, após reformas, estaria valendo R$ 3,5 milhões. O salário do prefeito Arlei Rosa é de R$ 14,7 mil.

O prefeito disse que adversários políticos espalham mentira sobre ele e seu patrimônio e afirmou que o sítio em Sapucaia foi arrendado para o descanso e lazer da família e que o valor do aluguel é compatível com os rendimentos dele.

O prefeito frisou também que por não ser o dono do imóvel, não pode construir nada nele sem conhecimento e autorização do seu proprietário e que as reformas estão sendo feitas pelo proprietário, que vai declarar o valor delas.

Quanto a decisão da Câmara, o prefeito contou que recebeu com tranquilidade a notícia. Segundo ele, no regime democrático, as decisões legitimamente tomadas devem ser acatadas.


Últimas de _legado_O Dia no Estado