Quilombolas de Cabo Frio vão criar galinhas caipiras

Cerca de 70 famílias das comunidades de Preto Forro e Maria Romana já iniciaram aulas de manejo de criação do animal

Por O Dia

Cabo Frio (RJ) - Duas comunidades remanescentes de quilombolas em Cabo Frio, acompanhadas pelo Instituto de Terras e Cartografia do Rio de Janeiro (Iterj), terão um projeto especial para desenvolvimento econômico. Suas produções agrícolas, entre outros programas, vão contar com o programa Galinha Caipira.

São 70 famílias das comunidades de Preto Forro e Maria Romana que já iniciaram aulas de manejo deste tipo de criação na Escola Agrícola de Cabo Frio. Elas também vão receber galinheiros, matrizes, vacinas e outros instrumentos para iniciar ou incrementar suas produções. O projeto é desenvolvido em parceria com a Escola Agrícola de Cabo Frio, um convênio com a prefeitura da cidade.

O programa de criação de galinha caipira vai ser desenvolvido em 24 assentamentos rurais do estado atendidos pela Secretaria de Habitação. São 2.456 famílias de baixa renda que já receberam recursos e equipamentos. Na primeira parte do programa, o Iterj vai construir galinheiros, promover a cessão das matrizes, a aplicação de vacinas e o acompanhamento da produção ao longo de 12 meses.

As comunidades remanescentes de quilombolas em Cabo Frio foram as primeiras do país a receberem o título de posse de suas casas, além de outros insumos.

Últimas de _legado_O Dia no Estado