Por felipe.martins

Rio - Com apenas 9 mil habitantes, a pequena cidade de São Sebastião do Alto, na Região Serrana do Rio, entrou nesta quart-feira para o mapa da corrupção no país. A cidade assistiu, pelo ‘RJTV’, da TV Globo, à prisão do prefeito Mauro Henrique Chagas (PT), flagrado pela Polícia Federal ao receber uma propina de R$ 100 mil, exigida por ele para aprovar obras de saneamento e saúde no município. O valor corresponderia a 10% do total a ser licitado.

Mauro teria exigido o valor para aprovar obras de saneamento e saúdeReprodução

O flagrante foi combinado entre o empresário que fez a denúncia — e que não quis se identificar —e os agentes federais. O ponto de encontro para o pagamento da propina foi um posto de gasolina às margens da BR-101, em Macaé. “O empresário já sabia da operação e colaborou com a Polícia Federal. Os agentes usaram roupas de uma suposta empresa de terraplanagem para fazer o flagrante, cercando o caro do prefeito”, informou a polícia à reportagem da TV. Um PM que atuava na segurança do prefeito também foi preso.

Mauro Henrique Chagas foi eleito vice-prefeito em 2012 e assumiu o executivo municipal em abril de 2014, depois que o prefeito Carmod Bastos foi afastado do cargo por denúncias de irregularidades administrativas e instauração de uma CPI na Câmara de Vereadores. Carmond foi condenado por oito crimes, entre os quais, fraudes em dispensa de licitação e aumento do próprio salário, sem lei que autorize.

Em dezembro de 2014, no entanto, o Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro (TCE-RJ) informou que as contas do município, referentes ao ano de 2013, foram aprovadas sem ressalvas. A cidade gastou 51,37% da Receita Corrente Líquida com pessoal, mantendo-se abaixo do limite legal (54%). Naquele ano, o município investiu 31,52% em educação e 25,92% em saúde, acima dos limites previstos em lei — 25% e 15%, respectivamente. A receita do município subiu 2,11%.

Em dezembro de 2014, a casa de Mauro Henrique, no Centro, foi alvejada por, pelo menos, cinco tiros durante a madrugada. Os disparos atingiram o muro e a fachada. A Polícia Civil informou, na ocasião, que o atirador estaria em uma moto. O prefeito estava em casa no momento dos disparos e não se feriu.

O DIA tentou contato com a prefeitura por telefone e email para comentar a prisão ontem, mas não obteve retorno até o fechamento da edição.

Você pode gostar