Prefeito é cassado, e Volta Redonda terá nova eleição

Por decisão do TSE, Neto terá que deixar cargo, acusado de abuso de poder econômico

Por O Dia

Rio - O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) cassou nesta terça-feira à noite o mandato do prefeito de Volta Redonda, Antônio Francisco Neto (PMDB), por abuso de poder político e econômico na campanha de 2012. Ele espalhara, fora do período eleitoral, outdoors pela cidade. Ainda cabe recurso de embargo de declaração, que, na teoria, não altera a decisão dos ministros.

Agora, o prefeito aguarda o entendimento do Tribunal Regional Eleitoral (TRE-RJ) para saber se deve deixar imediatamente a prefeitura ou se espera que seu último recurso seja julgado. Como já passaram mais de dois anos de mandato, serão realizadas novas eleições.

Para Neto%2C foi injustiça%3A “Nunca vi prefeito ser cassado por pedir doação de sangue e de leite materno”Daniel Castelo Branco / Agência O Dia

Abatido, logo após receber o resultado do recurso que movera e que o mantinha no cargo até então, Neto se disse surpreso, mas afirmou que deixará a prefeitura “com a cabeça erguida”. “Não esperava. Nunca vi prefeito ser cassado por pedir doação de sangue e de leite materno”, afirmou ao DIA, negando que a campanha publicitária o tenha favorecido. “Encerramos todo o material em setembro, e a eleição foi em outubro. Teve segundo turno e meu adversário poderia ganhar. Não houve abuso.” Mesmo contrariando a legislação eleitoral, Neto, que está no quarto mandato — são 14 anos como prefeito —, se declara um injustiçado. “Ocorreu uma triste injustiça.”

Ao apresentar seu voto ontem e encerrar o julgamento, o ministro Tarcísio Vieira discordou: “Houve tempo suficiente para divulgar de maneira eficiente os feitos do então prefeito.” Caso o TRE decida por sua saída imediata, é o presidente da Câmara Municipal, Paulo Conrado (PSD) quem assume o governo provisoriamente até as novas eleições.

Últimas de _legado_O Dia no Estado