Por nicolas.satriano

Rio - Um choque térmico (encontro de águas geladas do mar com água morna por causa da ressaca que atingiu o Rio na semana passada) segundo a Secretaria Municipal do Ambiente, provocou a morte de milhares de peixes da espécie savelha na Lagoa Rodrigo de Freitas. Cartão-postal do Rio, a Lagoa é sede das competições olímpicas de remo e canoagem. A Comissão de Defesa de Meio Ambiente da Alerj vai investigar as causas do fenômeno. Desde a última quinta-feira, foram recolhidas 19 toneladas de peixes e o mau cheiro já toma conta de todo o entorno da área. Os trabalhos da Comlurb mobilizam 62 garis por turno e dois catamarãs.

Na Lagoa Rodrigo de Freitas%2C garis começaram trabalhos para recolher peixes mortos. Serviço não tem prazo para acabarAlessandro Buzas / Agência O Dia

Longe dali, a Lagoa de Araruama também vem sofrendo com a mortandade de peixes. O problema, que afeta seis municípios da Região dos Lagos, não é recente. De acordo com a bióloga Maria Helena Baeta, os peixes daquela lagoa vêm morrendo desde 1978. “Na época, um estudo mostrou que todo o esgoto da região era jogado in natura nas lagoas”. Ela diz que atualmente as concessionárias Águas de Juturnaíba e Prolagos fazem o tratamento, mas mesmo assim ainda há pontos de esgoto.

Para tratar desse assunto, acontece nesta terça-feira na Alerj uma audiência pública da Comissão de Assuntos Municipais e Desenvolvimento Regional, presidida pela deputada estadual Marcia Jeovani (PR). Natural de Araruama, Márcia conhece de perto o fenômeno. “Sei que alguma coisa grave está acontecendo. A mortandade tem sido frequente e por isso resolvemos reunir biólogos e representantes do governo estadual para chegarmos a uma solução e salvarmos a lagoa”. Ela lembra que o problema não é só da região. Além da Lagoa Rodrigo de Freitas, espécies de peixes apareceram boiando na Lagoa de Piratininga, em Niterói, no início de março.

Na Lagoa de Araruama%2C mortandade traz prejuízos à pesca e ao turismoReprodução

“A situação afeta o turismo e principalmente a pesca. Precisamos pensar num plano para ajudar pescadores que não podem contar apenas com o auxílio-defeso”, diz ela, que defende um projeto para criação de frigoríficos pesqueiros nas áreas atingidas.

Nesta segunda-feira, deputados visitaram o entorno da Lagoa Rodrigo de Freitas. Para o presidente da comissão, deputado Thiago Pampolha (PTC), o monitoramento permanente e um plano de contingência são fundamentais para evitar o problema.

Esgoto, chuva e até seca causam problema

Técnicos acreditam que o aumento da salinidade na Lagoa de Araruama e as microalgas são responsáveis pelo baixo nível de oxigenação das águas, especialmente entre São Pedro da Aldeia e Cabo Frio. As fortes chuvas e a entrada de água doce, proveniente da estação de tratamento de esgoto das concessionárias, contribuiriam para o problema.

Para Chico Guimarães Neto, o Chico Pescador, a mortandade de peixes este ano foi maior não apenas pelo despejo de esgoto, mas também devido à falta de chuva, o que ocasionou mais salinidade nas águas da lagoa. “Morreu muita sardinha. O resultado da análise de biólogos revelou que as guelras dos peixes estavam cheias de microalgas que se proliferam por conta do esgoto”.

Você pode gostar