Ambientalistas cobram recursos para o Parque Estadual da Costa do Sol

Local turístico completa quatro anos neste sábado

Por O Dia

Rio - O Parque Estadual da Costa do Sol (PECS), que abrange os sete municípios da Região dos Lagos completa, neste sábado (18), quatro anos de criação. Para comemorar, várias atividades serão realizadas na Praia das Conchas, em Cabo Frio. O secretário estadual do Meio Ambiente, André Correia, vai estar presente no evento. Aproveitando a ida do secretário, ambientalistas da Região dos Lagos, vão pedir mais recursos para o Parque.

De acordo com os ambientalistas, o maior problema enfrentado pelo PECS atualmente são as invasões, além dos desmatamentos. O desafio é o monitoramento da área. Para que a fiscalização seja constante, será pedido ao Estado, a construção do Centro de Visitantes, que ao mesmo tempo servirá como base para os guarda-parques, que hoje ficam baseados no escritório do INEA, no Centro de Cabo Frio. A fiscalização ambiental na região piorou depois que o governo estadual desativou o Batalhão Florestal, que tinha dois postos avançados na Região dos Lagos para combater os crimes ambientais.

No sábado (18), as atividades vão começar às 7h, com o credenciamento dos participantes. Às 8h, será realizada a corrida ecológica. No mesmo dia ainda terá trilha interpretativa, desafio de stand up, vista ao Morro do Vigia, contação de histórias e sala de leitura. Para participar das atividades basta se inscrever e doar um livro para a sala de leitura. A organização do evento ficará na base do Inea na Praia das Conchas. A secretaria de Turismo de Cabo Frio vai apoiar as atividades do Dia do Parque.

"A ideia do parque é muito boa, mas não progrediu. Nada foi marcado para que os locais protegidos fossem explorados pelos turistas de forma sustentável. Faltam investimentos e todos sabem que existem verbas de compensação ambiental que não foram usadas por falta de projetos. O parque é muito importante para segurar a especulação imobiliária sem escrúpulo", criticou o ambientalista Arnaldo Vila Nova, presidente da ONG Viva Lagoa.

Como o parque não possui sede, a administração funciona numa sala improvisada no Centro de Cabo Frio.

"Neste momento em que a prefeitura de Cabo Frio busca revitalizar o turismo por causa da crise do petróleo, nada melhor do que revitalizar as áreas protegidas do PECS, que são grandes atrativos turísticos mas que precisam de muitos equipamentos para atrair turistas de qualidade e gerar emprego e renda. Um centro de visitação, nem que seja provisório, é fundamental para o sucesso do PECS", defende o empresário e ambientalista Fábio Augusto, do Amigos do Peró.

Últimas de _legado_O Dia no Estado