Ponta grossa, em Paraty, celebra a chegada da energia elétrica

A comunidade da Zona Costeira é a primeira de Paraty a receber o programa Luz para Todos

Por O Dia

Até semana passada, as pessoas da Zona Costeira de Paraty ainda viviam como no século XIX, sem luz. Mas essa história começa a mudar. E a primeira dessas localidades, com acesso apenas pelo mar, a receber a energia elétrica é Ponta Grossa. Na última sexta-feira, 19, cerca de 500 pessoas acompanharam a chegada da energia elétrica em Ponta Grossa, primeira comunidade da Zona Costeira de Paraty a receber o programa “Luz para Todos”. Moradores, o prefeito da cidade, Casé, o Presidente da Câmara, Luciano Vidal, e demais autoridades do município, o diretor nacional do programa Luz para Todos, Aurélio Pavão de Farias, o representante da Eletronuclear, Paulo Gonçalves, e da concessionária Ampla, Olímpio Passos, estiveram presentes na solenidade.

Este era um dos dias mais esperados dessas 73 famílias. Segundo o Presidente da Associação de Moradores da Ponta Grossa, Sabiá, a energia elétrica era o que a comunidade mais desejava. “Todo mundo aqui necessitava de energia elétrica em casa. Esse é um momento histórico e muito importante para todos nós”, afirma o pescador que chegava a gastar 700 reais por mês com óleo diesel para abastecer o gerador.

Moradores comemoram chegada da luzDivugação

Durante a solenidade, o prefeito de Paraty lembrou que esse trabalho começou em 2003, quando estava à frente da presidência da Câmara dos Vereadores e fez os primeiros contatos políticos para trazer a energia elétrica à Zona Costeira. “12 anos se passaram desde que tudo começou. E hoje temos muito orgulho de poder dizer que o sonho de vocês se tornou realidade. A luz enfim chegou a Ponta Grossa. Eu sei o quanto isso era importante para todos”, afirmou Casé agradecendo os envolvidos no processo e especialmente aos moradores da região, por acreditarem e confiarem nele. “É muito bom poder fazer o bem para as pessoas e receber esse carinho de volta”, conclui o prefeito emocionado.

Para o diretor do programa Luz para Todos, Aurélio Pavão de Farias, foi um grande desafio chegar à comunidade por conta dos obstáculos ambientais. “Tudo se tornou mais caro, o processo é mais demorado, exigiu muitas licenças ambientais. Foi um desafio muito grande. Mas não medimos esforços e utilizamos toda tecnologia disponível para alcançar essa população” declarou.

Para Maura Luci Cruz, de 42 anos, nascida e criada em Ponta Grossa, a chegada da energia elétrica é uma felicidade. “A gente usava geladeira a gás. Não podia ver televisão. Vai mudar muito a nossa vida. Agora vou poder ter máquina de lavar roupa, microondas”, falou entusiasmada.

Fabiano Pinheiro de Jesus, pertencente a uma família que há cinco gerações mora em Ponta Grossa, fala emocionado sobre a energia elétrica em sua casa. “Meus filhos vão ter acesso à tecnologia. Eu vou poder armazenar a pesca. É só alegria”.

Para que fosse possível levar energia elétrica a Ponta Grossa, foi utilizado poste de fibra de vidro, que por ser mais leve facilitou o transporte e manuseio. Também foram usados cabos protegidos, para atender as exigências ambientais. O projeto Ponta grossa custou 3,2 milhões e vai beneficiar 73 famílias. Segundo o programa Luz para Todos, foi o contrato mais caro do Brasil.
Apenas na Ponta Grossa foram instalados 206 postes, de 11 metros cada, da casa da família Camargo Correa até a Praia Vermelha. O trabalho na Ponta Grossa começou em outubro de 2013. Até o fim de outubro de 2015 as comunidades do Saco do Mamanguá, Calhaus e Pouso do Cajaíba também serão beneficiadas pelo projeto "Luz para Todos". O valor total da obra de iluminação da costeira de Paraty é superior a 16 milhões de reais.


Últimas de _legado_O Dia no Estado