Por felipe.martins
Publicado 02/12/2015 01:09 | Atualizado 02/12/2015 01:12
Mauro Costa trabalhava como personal em Barra do Piraíarquivo pessoal

Rio - A 95ª DP (Vassouras) deu por esclarecida a morte do professor de Educação Física Mauro da Costa Júnior, de 23 anos, espancado até a morte por um grupo de jovens na Rua da Broadway, no Centro do município, no Sul Fluminense, no dia 11 de outubro. Dois suspeitos de participação nas agressões – os irmãos e serventes de pedreiro, Anderson dos Santos Pereira de 29 anos, e Rafael dos Santos Pereira, de 26 -, foram presos.

O delegado José Soares, no relato encaminhado ao Ministério Público, descartou completamente a participação de estudantes de Medicina no episódio, conforme chegou a ser investigado.Embora o município estivesse lotado com sete mil alunos de 23 faculdades de Medicina do Rio e Espírito Santo, que participavam de uma festa da 22ª Olimpíadas Regionais Estudantis de Medicina (Orem), nenhum estudante teria se envolvido na pancadaria, que resultou na morte de Mauro.

No dia do crime, conforme o DIA Online publicou, a comissão organizadora do evento lamentou o ocorrido e afirmou que a tragédia não tinha relação com as Olimpíadas Regionais. “Apesar de o fato ter ocorrido concomitante ao evento, o jovem não participava do mesmo”, dizia o texto.

Em nota, a Polícia Civil informou que no dia 29 de outubro Anderson e Rafael foram presos. Dias antes, eles já haviam prestado depoimentos, cujos conteúdos não foram revelados. Ambos não tinham antecedentes criminais. A confusão teria começado por conta de um esbarrão dado por Mauro em um deles. Agora, respondem por homicídio qualificado por motivo fútil, e poderão pegar cada um até mais de 20 anos de prisão. A 95ª DP não conseguiu identificar outros jovens que supostamente aparecem espancando a vítima num vídeo, por conta da má qualidade das imagens.


Festas foram liberadas na região

Na época do crime, moradores usaram as redes sociais para protestar contra as festas estudantis. Os festejos, “regados pelo alto consumo de drogas e álcool”, conforme postagens de internautas, chegaram a ser suspensos pela Prefeitura de Vassouras, mas foram retomados depois que a polícia garantiu que investigações apontaram que não havia envolvimento de estudantes de Medicina no assassinato.

Na internet, amigos de Mauro ainda se mostram inconformados. “Não consigo acreditar. Muita angústia, muita saudade. Não está sendo fácil”, lamentou a estudante Thais Porto, de 19 anos. Evangélico e pacato, Mauro morava e trabalhava numa academia no Centro de Barra do Piraí. O primo da vítima, Matheus Medeiros, que estava com ele na hora da confusão, revelou que o personal trainer chegou a pedir desculpa pelo esbarrão, que teria motivado o ataque. Ele sofreu traumatismo craniano.

Os dois suspeitos também são jovens e moradores de Vassouras. Segundo o delegado titular da 95ª DP, José Soares dos Santos, ainda não é possível afirmar se as agressões ocorreram somente porque a vítima esbarrou em um dos acusados, ou se já havia uma rixa antiga deles com o personal trainer.

Você pode gostar