Marcus Tavares: Não vamos esquecer a origem do problema

Hoje nos vemos em uma triste e lamentável história. Carregada de corrupção e podridão

Por O Dia

Rio - Nunca antes na história deste país assistimos a um folhetim tão rocambolesco, envolvendo os altos escalões e o empate de forças dos três poderes. São dias históricos e carregados de escândalo, vergonha, intolerância e muita decepção. Há meses que nossos representantes não governam para o povo. Mas, sim, para a manutenção ou queda do poder. Não merecíamos isso. O grosso deste país é formado por gente honesta, ética, trabalhadora e que, no fim, é quem sustenta o país. Quem paga os impostos que não são de forma alguma revestidos para o bem-estar da sociedade, mas que garantem propinas e muita roubalheira. 

Desde o fim da ditadura, estamos num processo contínuo de construção de um Estado Democrático, que se intensificou com a promulgação da Constituição Cidadã, de 1988. Ao apostarmos na esperança, ao vencermos o medo, mudamos o curso da história elegendo um metalúrgico com ideias e posições firmes.

Discursos inflamados, carregados de um novo horizonte. Um novo horizonte se abriu devido não só aos ideais de uma nova equipe (com práticas nem tanto inovadoras na economia), mas a toda uma conjuntura nacional e internacional que contribuiu fortemente para que projetos saíssem do papel e fossem implementados. Crescemos, não há como negar.

Mas, por outro lado, podíamos (deveríamos) ter avançado muito mais. O Partido dos Trabalhadores (é ele quem esteve e está no poder, não?) teve a chance, no início do século, de promover de fato e de direito mudanças estruturais, como as reformas da Previdência, Tributária e Política. Tinha a faca e o queijo na mão, conjugado com o apoio popular, que nunca se viu em nenhum outro governo da América Latina.

Quatorze anos se passaram, assim como as oportunidades. Hoje nos vemos em uma triste e então lamentável história. Carregada de corrupção e podridão. Eis aí o problema! Será que alguém ainda duvida disso?

E aqui abro um parêntese: sim, é extremamente importante a discussão em torno das garantias individuais de qualquer cidadão, da forma como a imprensa trabalha o caso e dos limites das pessoas físicas e jurídicas das diversas instâncias envolvidas no processo. Mas, por favor, não menos importante é o problema que originou isso tudo. O que foi feito e é feito. A falta de ética, de coerência e de responsabilidade.

Marcus Tavares é professor e jornalista


Últimas de Opinião