Editorial: Banditismo no futebol tem que acabar

A esses compulsivos pela violência e pela dor ao rival, com o agravante de não se importar com danos a terceiros, a lei tem de ser dura

Por O Dia

Rio - Criminosos travestidos de torcedores voltaram a ignorar a lei e mataram um inocente na estúpida guerra entre organizadas. A tragédia, desta vez, aconteceu em São Paulo, por conta do clássico Corinthians x Palmeiras, pelo estadual. A vítima nada tinha a ver com o jogo e morreu em uma das confusões registradas na capital. Na lista dos brigões, gente com extensa ficha criminal — como os corintianos detidos na Bolívia anos atrás. Situações que, vez ou outra, se observam aqui no Rio e pelo país.

A lei tenta conter essa selvageria, como já reconhecido neste espaço. Dissolvem-se torcidas, esvaziam-se estádios, mandam-se times para jogar a centenas de quilômetros de seu estado natal. Tem ajudado, mas ainda assim covardes mantêm suas agendas de enfrentamento. E conseguem até matar.

A esses compulsivos pela violência e pela dor ao rival, com o agravante de não se importar com danos a terceiros, a lei tem de ser dura. Trata-se de crimes hediondos que não podem ficar se repetindo a cada clássico de futebol.

Últimas de Opinião